segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Crime ou poda? Vinte e duas árvores cortadas na Av. Guido Marlière


Essa é uma, das vinte e duas árvores cortadas.
Tocos ficaram expostos uma semana.
Essa não é a "mudança" que o povo esperava.
Na última semana, um fato muito nos intrigou na Avenida Guido Marlière. Vinte e duas árvores foram cortadas, sem aparente motivo. Tudo bem, alguns dirão que estava sendo realizada a poda, porém, não justifica este "desmatamento urbano". Indignado, pois as toras ficaram expostas durante toda a semana após a barbárie cometida, liguei para o Instituto Estadual de Florestas. Fui informado que por se tratar de área municipal, era responsabilidade da Polícia ambiental. Lá na PA me disseram que eu deveria ligar para a secretaria municipal de meio ambiente. Finalmente encontrei uma resposta: atendido pelo funcionário André, fui informado que as árvores foram cortadas por estarem podres. O mesmo funcionário me disse que serão plantadas novas árvores no local e ainda disse que necessita da ajuda dos moradores para regarem as novas plantas. É isso. Não estou convencido da resposta! Vou enviar ofício à promotoria de meio ambiente pois pelas fotos, nota-se a saúde das árvores. O que eu não entendo, é que na época do prefeito Tarcísio Henriques, cortar um galho era comprar briga com a promotoria, agora, cortam vinte e duas árvores e nada é feito. Os moradores do local também nada fizeram ou disseram. Quando obter resposta da promotoria vou postar aqui. Na minha opinião, o ocorrido foi um absurdo imperdoável.

Prefeitura alegou que árvores estavam podres.
Poema adaptado:


Moradores nada fizeram.
A poda foi feita e o desmatamento também.

Cortaram cinco árvores
E a terra chorou

Cortaram mais cinco árvores
E a terra chorou

E tantas árvores mais...

E a terra chorou...
Chorar tanto também cansa.
Quem pode enxugar as lágrimas
Da terra cansada?

Nem as mãos de uma criança...

Matilde Rosa Araújo, Fadas Verdes,
Porto, Liv. Civilização, 1994