sexta-feira, 26 de novembro de 2010

TÉCNICO EM INFORMÁTICA (EAD) - CURSO COM PÓLO EM CATAGUASES
Estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo 2011 para o Curso 
Período das Inscrições pela internet - 16/11/2010 a 30/01/2011. 
Campus Muzambinho:Técnico em Informática
INSCRIÇÕES E INFORMAÇÕES: www.muz.ifsuldeminas.edu.br
Acesse o edital e confira todas as informações para realizar sua inscrição.

Contatos:
Blog: www.eteccataguases.blogspot.com
Endereço: Alameda dos Pinheiros, s/n - Paraíso - "Escola Municipal Enedina Prata"
Telefone: (032) 3429-2565

 Fonte: Vereador Vanderlei Pequeno

I Festival de Calango Mineiro e Feijão Ferrado (Cataguarino)

A ACRIAR (Associação de Criadores de Arte, Produtores Culturais e de Entretenimento Cataguases - MG) informa que acontece em Cataguarino, nos dias 27 e 28 de novembro de 2010, o I Festival de Calango Mineiro e Feijão Ferrado. O evento que começará à partir de 20h, premiará o melhor cantor de calango, melhor sanfoneiro, melhor par de dançarinos, melhor dupla de desafio e rainha do calango. O evento acontece com apoio da lei Ascânio Lopes.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Comissão Especial aprova Estatuto da Juventude

A Comissão Especial de Juventude aprovou na tarde desta terça-feira (23), o Estatuto da Juventude. O Projeto de Lei 4529/04 além de criar o Estatuto da Juventude, regulando os direitos específicos dos jovens e estabelecendo diretrizes para elaboração de políticas de juventude, cria também a Rede e o Sistema Nacionais de Juventude. Na Câmara, a deputada Manuela D’ávila (PCdoB/RS), relatora do PL, comemorou a aprovação e ressaltou que a aprovação do texto é resultado de um “grande esforço para incluir todas as sugestões dos parlamentares e das entidades representativas dos jovens”, com o objetivo de criar um marco legal na área. Em seu relatório Manuela destaca que o PL tem origem no debate com jovens, gestores públicos e especialistas nas questões de juventude em todo o país. “Este Projeto é fruto do conhecimento produzido pelos coletivos de jovens ao longo dos últimos 20 anos, incluindo as últimas conferências de juventude, a participação da sociedade pelo Portal e-Democracia da Câmara dos Deputados e os recentes trabalhos de audiências públicas desta Comissão nesta Casa e nos Estados”, escreve a parlamentar. Agora o Projeto de Lei segue para votação em plenário. Danilo Moreira, presidente do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), comemorou a aprovação. “É mais um passo na constituição dos marcos legais para a juventude. Será importante também porque teremos um texto base para ser discutido e aprovado na 2ª Conferência Nacional de Juventude, que acontecerá no primeiro semestre do ano que vem”, argumenta. Para Marcela Rodrigues, coordenadora da Comissão de Parlamento do Conjuve, este foi um ano de vitórias. “Aprovamos a PEC da Juventude e agora conseguimos a primeira aprovação do Estatuto da Juventude”, explica Marcela, “agora precisamos da mobilização da juventude brasileira para seguir cobrando dos parlamentares a aprovação da matéria em plenário”, conclui. Os conselheiros ainda destacaram a atuação da relatora Manuela D’ávila e o apoio do deputado Lobbe Neto (PSDB-SP), na aprovação do PL.

 Apresentação Musical: Grupo Darandinos
Local: E.E. Manuel Inácio Peixoto. Horário: 19 horas  - Entrada Franca



Grupo Darandinos
Neste sábado, dia 27 de novembro, no Colégio Cataguases haverá uma apresentação do Grupo Musical Darandinos, de Juíz de Fora - MG. Cataguases tem um pólo de EAD (Ensino à distância), instalado no CAIC, no bairro Santa Clara e por este motivo foi selecionada para a rebeber o evento. A campanha, elaborada pelo Centro de Educação a Distância da Universidade Federal de Juiz de Fora (Cead/UFJF), tem como objetivo proporcionar a integração do polo à comunidade e sua região de abrangência, assim como os alunos dos cursos à distância ao universo cultural e artístico disponível em sua Universidade. Nesta segunda edição, a proposta é promover um intercâmbio cultural. Durante o dia também acontecerá no Colégio Cataguases, de 10h às 13h uma oficina de “Percepção da musicalidade, criatividade e soluções inventivas na música brasileira”. Participarão alunos e alunas das escolas públicas de Cataguases, selecionados pelo pólo de Cataguases. Os integrantes do grupo são: Lucas Soares (voz e violão), Anna Claudia (voz), Haroldo Lobo (percussões) e Fabrícia Valle (percussões).  A banda é influenciada pelos movimentos bossa nova, tropicalismo, música mineira (tradicional e raiz) e por acontecimentos contemporâneos como o movimento manguebeat. Uma linguagem musical acústica, suave e singular.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Eram os Deuses Astronautas?

Depois de uma semana sem postar, atendendo a pedidos, coloquei no blog um especial do canal History, que trata do documentário: "Eram os Deuses Astronautas?" Assisti ao documentário quando ainda jovem e fiquei fascinado. Agora, gostaria de colocar uma discussão sobre o documentário que foi exibido no canal History Channel. As postagens estão no Youtube e é só ir e linkar para assitir, quem não gosta de ficar horas baixando um DVD. São nove partes.

Confiram a  sinopse:

 
E se a vida na Terra começou no espaço? Milhões de pessoas aceitam a teoria de que formas de vida inteligentes tem visitado a Terra há milhares de anos e eram adorados como deuses pelos homens primitivos. Monumentos como Stonehenge e a Ilha de Páscoa seriam os últimos resquícios de uma antiga civilização alienígena?Baseado no controverso livro Eram Os Deuses Astronautas, de Erich Von Daniken, a teoria dos alienígenas ancestrais tem abalado as crenças no progresso da humanidade.
Desde inexplicáveis super estruturas, conhecimento do sistema solar, matemática avançadíssima, desenhos antigos de criaturas estranhas nas cavernas, restos de pistas de pouso no Peru e textos indígenas que descrevem máquinas voadoras dos deuses, até a capacidade dos antigos em produzir eletricidade, entre outros, são citados por Von Daniken como prova de que “astronautas” eram bem conhecidos dos nossos antepassados, e que a humanidade não evoluiu em isolamento, mas com ajuda de viajantes de outros mundos.
Produzido com a colaboração e participação exclusiva do próprio Von Daniken, Ancient Aliens busca explorar evidências da influência de “super humanos” sobre o homem e faz novas expedições, embarcando em uma busca ao redor do mundo para obter e avaliar essas provas e tentar conseguir respostas, concentrando-se nas descobertas dos últimos 30 anos, incluindo a até então inexistente análise de DNA e recentes descobertas e decodificações de artefatos antigos encontrados no Egito, na Síria e Iraque (antiga Suméria), que podem conter a chave de muitas destas respostas.
Como todo bom documentário, em especial os do History Channel, assim como foi com o aclamado Nostradamus 2012, deste mesmo canal, Ancient Aliens não impõe, apenas sugere, e chama o espectador ao raciocínio, oferecendo, para isso, argumentos sólidos, prós e contras o tema abordado, para que cada um forme sua própria opinião.
Ancient Aliens é uma investigação equilibrada e imparcial de uma teoria, que alguns podem até achar que não seja verdade, mas a verdade mesmo é que ela não pode ser ignorada!

Na barra lateral está o atalho mas vou colocar aqui, nesta semana:

Os links são:
Parte 01: http://www.youtube.com/watch?annotation_id=annotation_936890&v=5Dbk3AwrkJ0&feature=iv
Parte 02: http://www.youtube.com/watch?v=Z9AU2MNBmoI&feature=related
Parte 03: http://www.youtube.com/watch?v=mht9juqzCkY&feature=related
Parte 04: http://www.youtube.com/watch?v=1LTkAKziuxc&feature=related
Parte 05: http://www.youtube.com/watch?v=a_VXLiDR2qU&feature=related
Parte 06: http://www.youtube.com/watch?v=duNsv7iLK10&feature=related
Parte 07: http://www.youtube.com/watch?v=2gHNTClV_V4&feature=related
Parte 08: http://www.youtube.com/watch?v=gc3UyKQlHEo&feature=related
Parte 09: http://www.youtube.com/watch?v=a6Fwcuo9lOw&feature=related

sábado, 20 de novembro de 2010

Duas mulheres - duas abolições?


Leonardo Boff 
Teólogo, filósofo e escritor

É fato notável a ascensão de mulheres, em muitos países do mundo, ao status de chefes de Estado e de governo. Isso revela uma mutação do estado de consciência que se está operando no interior da humanidade. Foi mérito principal da reflexão feminista que já possui mais de um século inaugurar esta transformação. As mulheres começaram a se ver com os próprios olhos e não mais com os olhos dos homens. Descobriram sua identidade, sua diferença e a relação de reciprocidade e não de subordinação frente aos homens. Produziram talvez a crítica mais consistente e radical da cultura, marcada pelo patriarcalismo e pelo androcentrismo.
O patriarcado designa uma forma de organização social centrada no poder exercido pelos homens dominantes, subordinando e hierarquizando todos os demais. O androcentrismo se caracteriza por estabelecer como padrão para todos; as formas de pensamento e de ação características dos homens. Eles são o sol e os demais, como as mulheres ou outras culturas, seus satélites e meros coadjuvantes.
O patriarcado e o androcentrismo subjazem às principais instituições das sociedades atuais com as tensões e os conflitos que provocam. A eles se deve o surgimento do Estado, das leis, da burocracia, da divisão de trabalho, do tipo de ciência e tecnologia imperantes, dos exércitos e da guerra. As feministas do Terceiro Mundo viram além da dominação cultural, também a dominação social das mulheres, feitas pobres e oprimidas pelos donos do poder. O ecofeminismo denunciou a devastação da Terra levada a efeito por um tipo de tecnociência masculina e masculizante, já antes percebida pelo filósofo da ciência Gaston Bachelard, pois a relação não é de diálogo e de respeito, mas de dominação e de exploração até a exaustão. As mulheres nos ajudaram a ver que realidade humana não é feita apenas de razão, eficiência, competição, materialidade, concentração de poder e de exterioridade. Nela há afeto, gratuidade, cuidado, cooperação, interioridade, poder como serviço e espiritualidade. Tais valores são comuns a todos os humanos, mas as mulheres são as que mais claramente os vivem. O ser-mulher é uma forma de estar no mundo, de sentir diferentemente o amor, de relacionar corpo e mente, de captar totalidades, de pensar não só com a cabeça mas com todo o ser e de ver as partes como pertencentes a um Todo. Tudo isso permitiu que a experiência humana fosse mais completa e inclusiva e abrisse um rumo de superação da guerra dos sexos.
Hoje, devido à crise que assola a Terra e a biosfera, pondo em risco o futuro do destino humano, estes valores se mostram urgentes, pois neles está a chave principal da superação.
É neste contexto que vejo a presença de mulheres à frente dos governos, no caso, de Dilma Rousseff como presidente. A dimensão da anima levada para dentro das relações de mando, pode trazer humanização e mais sensibilidade para as questões ligadas à vida, especialmente dos mais vulneráveis.
Na nossa história tivemos uma mulher, considerada a Redentora: a princesa Isabel (1846-1921). Substituindo o pai Dom Pedro II em viagem à Europa, num gesto bem feminino, proclamou em 28 de setembro de 1871 a Lei do Ventre Livre. Os filhos e filhas de escravos já não seriam mais escravos. Financiava com seu dinheiro sua alforria, protegia fugitivos e montava esquemas de fuga para eles. Numa outra ausência do pai, a 13 de maio de 1888, fez aprovar pelo Parlamento a Lei Áurea da abolição da escravatura. A um de seus críticos que lhe gritou: "Vossa Alteza liberou uma raça mas perdeu o trono", retrucou: "Mil tronos eu tivesse, mil tronos eu daria para libertar os escravos do Brasil". Queria indenizar os ex-escravos com recursos do Banco Mauá. Preconizava a reforma agrária e sufrágio político das mulheres. Foi a primeira abolição.
Cabe agora à presidente Dilma realizar a segunda abolição, propugnada já há anos pelo senador Cristovam Buarque, num famoso livro com esse mesmo título: a abolição da pobreza e da miséria. Ela colocou como primeira prioridade de seu governo "o fim da miséria". Esta é concretamente possível. Por enquanto é apenas uma promessa. Se realizar esta façanha, verdadeiramente messiânica, poderá ser a segunda Redentora.
Como cidadãos, urge apoiar e cobrar a promessa e impedir que se transforme numa má utopia. Podemos ser condenados pelos poderosos; mas, não podemos defraudar os pobres e os oprimidos.


Fonte: www.adital.com.br

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O Último Folheto !!!

Todos os domingos à tarde, depois do culto da manhã na igreja, o pastor e seu filho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam folhetos evangelísticos. Numa tarde de domingo, quando chegou à hora do pastor e seu filho saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito. O menino se agasalhou e disse:
- Ok, papai, estou pronto.
E seu pai perguntou:
- Pronto para quê?
- Pai, está na hora de juntarmos os nossos folhetos e sairmos.
Seu pai respondeu:
- Filho, está muito frio lá fora e também está chovendo muito.
O menino olhou para o pai surpreso e perguntou:
- Mas, pai, as pessoas não vão para o inferno até mesmo em dias de chuva?
Seu pai respondeu:
- Filho, eu não vou sair nesse frio.
Triste, o menino perguntou:
- Pai, eu posso ir? Por favor!
Seu pai hesitou por um momento e depois disse:
- Filho, você pode ir. Aqui estão os folhetos. Tome cuidado, filho.
- Obrigado, pai!
Então ele saiu no meio daquela chuva. Este menino de onze anos caminhou pelas ruas da cidade de porta em porta entregando folhetos evangelísticos a todos que via. Depois de caminhar por duas horas na chuva, ele estava todo molhado,  mas faltava o último folheto. Ele parou na esquina e procurou por alguém para entregar o folheto, mas as ruas estavam totalmente desertas. Então ele se virou em direção à primeira casa que viu e caminhou pela calçada até a porta e tocou a campainha. Ele tocou a campainha, mas ninguém respondeu.  Ele tocou de novo, mais uma vez, mas ninguém abriu a porta.  Ele esperou, mas não houve resposta.  Finalmente, este soldadinho de onze anos se virou para ir embora, mas algo o deteve.
Mais uma vez, ele se virou para a porta, tocou a campainha e bateu na porta bem forte. Ele esperou, alguma coisa o fazia ficar ali na varanda. Ele tocou de novo e desta vez a porta se abriu bem devagar. De pé na porta estava uma senhora idosa com um olhar muito triste.  Ela perguntou gentilmente:
- O que eu posso fazer por você, meu filho?
Com olhos radiantes e um sorriso que iluminou o mundo dela, este pequeno menino disse:
- Senhora, me perdoe se eu estou perturbando, mas eu só gostaria de dizer que JESUS A AMA MUITO e eu vim aqui para lhe entregar o meu último folheto que lhe dirá tudo sobre JESUS e seu grande AMOR.
Então ele entregou o seu último folheto e se virou para ir embora.  Ela o chamou e disse:
- Obrigada, meu filho!!! E que Deus te abençoe!!!
Bem, na manhã do seguinte domingo na igreja, o Papai Pastor estava no púlpito. Quando o culto começou ele perguntou:
- Alguém tem um testemunho ou algo a dizer?
Lentamente, na última fila da igreja, uma senhora idosa se pôs de pé.Conforme ela começou a falar, um olhar glorioso transparecia em seu rosto.
- Ninguém me conhece nesta igreja. Eu nunca estive aqui. Vocês sabem antes do domingo passado eu não era cristã.  Meu marido faleceu a algum tempo deixando-me totalmente sozinha neste mundo. No domingo passado, sendo um dia particularmente frio e chuvoso,  eu tinha decidido no meu coração que eu chegaria ao fim da linha, eu não tinha mais esperança ou vontade de viver. Então eu peguei uma corda e uma cadeira e subi as escadas para o sótão da minha casa. Eu amarrei a corda numa madeira no telhado, subi na cadeira e coloquei a outra ponta da corda em volta do meu pescoço. De pé naquela cadeira, tão só e de coração partido, eu estava a ponto de saltar, quando, de repente, o toque da campainha me assustou. Eu pensei:
- Vou esperar um minuto e quem quer que seja irá embora.  Eu esperei e esperei, mas a campainha era insistente; depois a pessoa que estava tocando também começou a bater bem forte.
Eu pensei:
- Quem neste mundo pode ser? Ninguém toca a campainha da minha casa ou vem me visitar.
Eu afrouxei a corda do meu pescoço e segui em direção à porta, enquanto a campainha soava cada vez mais alta. Quando eu abri a porta e vi quem era, eu mal pude acreditar, pois na minha varanda estava o menino mais radiante e angelical que já vi em minha vida. O seu SORRISO, ah, eu nunca poderia descrevê-lo a vocês! As palavras que saíam da sua boca fizeram com que o meu coração que estava morto há muito tempo SALTASSE PARA A VIDA quando ele exclamou com voz de querubim:
- Senhora, eu só vim aqui para dizer QUE JESUS A AMA MUITO.
Então ele me entregou este folheto que eu agora tenho em minhas mãos. Conforme aquele anjinho desaparecia no frio e na chuva, eu fechei a porta e atenciosamente li cada palavra deste folheto. Então eu subi para o sótão para pegar a minha corda e a cadeira. Eu não iria precisar mais delas.Vocês vêem - eu agora sou uma FILHA FELIZ DO REI!!! Já que o endereço da sua igreja estava no verso deste folheto, eu vim aqui pessoalmente para dizer OBRIGADO ao anjinho de Deus que no momento certo livrou a minha alma de uma eternidade no inferno. Não havia quem não tivesse lágrimas nos olhos na igreja. E quando gritos de louvor e honra ao REI ecoaram por todo o edifício, o Papai Pastor desceu do púlpito e foi em direção a primeira fila onde o seu anjinho estava sentado. Ele tomou o seu filho nos braços e chorou copiosamente.
Provavelmente nenhuma igreja teve um momento tão glorioso como este e provavelmente este universo nunca viu um pai tão transbordante de amor e honra por causa do seu filho... Exceto um. Este Pai também permitiu que o Seu Filho viesse a um mundo frio e tenebroso. Ele recebeu o Seu Filho de volta com gozo indescritível,
todo o céu gritou louvores e honra ao Rei, o Pai assentou o Seu Filho num trono acima de todo principado e potestade e lhe deu um nome que é acima de todo nome. 
Contribuição: Josiane Pimenta Badaró

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Obama também fez o ENEM e não reclamou

Para entar na faculdade de Direito da Universidade de Harvard,  Barack Obama teve que fazer o ENEM (lá conhecido como SAT). Obama nunca reclamou. O DEMO - CRATAS, aquele mesmo que apoiava a ditadura com o pseudônimo de Arena,  tem uma ação no supremo para acabar com o ENEM. Ironia do destino, quem está acabando é o DEM. Líderes estão estudando a possibilidade de fusão com o PSDB e outros ao PMDB. Isso mesmo! De ferrenho opositor a "muy amigo" da base governista. O Kassab tá pulando fora porque não é bobo e já descobriu que pra ser candidato a governador em 2014 terá de deixar o DEMO (Que é o Rubinho Barrichelo da direita brasileira). É gente, as eleições acabaram, o povo nem fala mais, porém a vida continua... sendo regida pela política (ou pela politicagem). Pena que poucos percebem!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Porque o ENEM é odiado pelo Zé e pelo partido da imprensa golpista (PIG)

Para Serra, Aécio foi um traidor. Minas e Rio agora fazem parte do eixo do mal.
Mais uma vez a mídia golpista tenta avacalhar a imagem do ENEM, para dra força à tese de que ele é retrógrado. Justiça seja feita, FHC implantou o exame em 1998, tendo 157 mil alunos. Hoje ele tem 4,6 milhões. Deu errado: para os tucanos. Era pra ser só mais um buscador de índices eleitoreiros e se tornou a maior ferramenta de inclusão nas universidades federais na história desse país. Serra na campanha deixava claro sua insatisfação com o ENEM. Quando houve o vazamento da prova no ano passado, a mídia caiu de pau e detonou Hadadd e o MEC. Mas o que realmente incomoda o PIG e a elite branca paulista? Com o ENEM, cursinhos perderam força e as escolas particulares uma fatia do bolo de um negócio sem risco. Motoserra, capítalista neoliberal e que tem horror a "pobrada", tratou logo de desvincular as universidades de São Paulo (O centro do universo, pelo menos para o PSDEMO), e armar uma arapuca contra o governo Lula. O que a turma do Zé não admite é ver pobre formando em Medicina, Engenharia, Biomédico, etc. Até economista nordestino tem que ser tolerado neste governo Lula! "O Bolsa Família da D. Ruth atendia quatro famílias. O do Lula, que virou “Bolsa Esmola”, segundo Mônica Serra, a grande estadista chileno-paulista, atende 40 milhões", diz o jornalista Paulo Henrique Amorim. Serra gosta mesmo é de curso técnico e cursinho do FAT (Fundo de amparo ao trabalhador). Universidade? Nunca! O povo pode começar a pensar demais e isso é perigoso (pelo menos para eles). Ano que vem, quem não fizer ENEM tambem não terá acesso ao FIES (Financiamento estudantil). Vai ser um horror! Vai aumentar o número de inscritos e a elite branca paulista irá se contorcer de desgosto. Acho até que irão morar no buraco dos mineiros do Chile. Malditos petistas! Já está faltando pedreiro e empregada doméstica em Cataguases. Onde é que vamos parar? Minas e Rio de Janeiro caíram para a segunda classe junto ao nordeste depois da vitória de Dilma no segundo turno. Esse mundo é mesmo complicado.

Serra vai mudar o visual para 2014

Ou vai ou racha!

sábado, 6 de novembro de 2010

Professores representantes de quatro Instituições Federais de Ensino Superior reúnem com o MST

As Universidades Federais de Viçosa (UFV), de Juiz de Fora (UFJF), de Ouro Preto (UFOP) e o Instituto Federal de Educação Tecnológica de Rio Pomba (IFET-RP) se reúnem hoje, 5 de novembro, com a direção regional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra para discutir um acordo de cooperação, afim de realizar pesquisas na área do Acampamento Denis Gonçalves, próximo à Juiz de Fora.
A proposta, feita pelo MST, surgiu a partir da declaração do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) de ser incapaz tecnicamente de fazer o Relatório de Viabilidade Ambiental, exigido pela Comissão de Política Ambiental (COPAM) para liberação da área para fins de reforma agrária.
Diante do impasse, o movimento decidiu convidar as universidades e o IFET para conhecer a área, que possui grandes especificidades: uma reserva considerável de Mata Atlântica, um sítio arqueológico, riquezas patrimoniais como a fábrica de beneficiamento de café, que chegou a ser a mais moderna do Brasil no início do século passado. Tais riquezas despertaram as instituições para a potencialidade de realização de pesquisas. A UFV já aprovou um projeto, intitulado Guardiães do Patrimônio, que trabalhará a educação patrimonial com colonos e acampados.
                Para o MST, este acordo vai além da questão do RVA. A educação é prioridade e a cada acampamento que se faz, a primeira construção, a primeira barraca de lona, é a escola. Não adianta somente conquistar a terra, fazem parte da proposta de reforma agrária popular o acesso à educação de qualidade, habitação, saúde, saneamento... A democratização das universidades também é uma luta do MST. Este tipo de relação só tem a beneficiar as instituições, que abrem suas portas ao povo brasileiro e cumprem com sua função social, e o movimento, que avança na luta pela justiça no campo contribuindo na construção do conhecimento mais voltado aos problemas de nossa sociedade.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Cataguases em notícias entrevista vereador Vanderlei Pequeno

Vanderlei Pequeno é vereador pelo PT em Cataguases - MG
Você é um vereador do PT. O que diz do congelamento do salário dos servidores da prefeitura?
Eu já estive conversando com o sindicato. Na época, sugeri que fosse feita uma mobilização dos trabalhadores, um chamativo de Assembléia para discutir uma paralisação das atividades e, se necessário, uma greve geral. O congelamento salarial dos servidores da prefeitura lembra o governo FHC. Já são quase 120% de perda salarial. Mas o sindicato ainda está optando pela busca do dialogo com o governo Willian que não sabe e não quer conversar sobre esse assunto.

Existe proposta de negociação de alguma das partes?
O sindicato apresentou em março uma proposta de elevação do ticket para R$ 200,00, já que ele está congelado em R$ 120, se eu não me engano, desde 2005.  Existe também uma pauta de negociação de reajuste salarial. Mas o prefeito Willian foi curto e grosso: “zero procês!” O Procurador do Município admitiu a importância do tema e a necessidade de se iniciar um processo de negociação, mas já se foram oito meses e nada.

A presidente do sindicato, Maria Lúcia de Souza, reclamou na audiência pública de prestação de contas da prefeitura no dia 19/10 da defasagem salarial?
Ela repetiu o mesmo discurso do congelamento dos salários e do ticket. Eu reafirmei que o único discurso que a tucanada conhece é o da greve. Essa gente é especialista em dissimulação e venda de ilusão. Só conhecem a verdade da planilha e nunca admitem que o que move a sociedade é a política. A primeira não pode submeter a segunda, pois assim não se avança no progresso social via distribuição de renda. A arte da política é a da administração do cobertor curto. Administrar com recursos, qualquer incompetente é capaz.

Mas, e aí?
Encaminhamos a proposta de irmos até o prefeito tentar sensibilizá-lo no sentido de dar início a um processo de negociação com o sindicato, já que a presidente se declarou contrária ao movimento em torno da greve.

Mas nós já conhecemos essa história...
Na época da greve dos professores, foi formado, depois de um esforço muito grande e com a intervenção da Câmara, um grupo de trabalho constituído de professores e prefeitura para construir o Plano. Eu fui contrário a essa dinâmica. No meu entender, uma das partes deveria apresentar sua proposta e depois, sim, seria formada uma mesa negociadora para discutir a sua viabilidade. Mas as minhas ponderações não foram aceitas. Infelizmente, o resultado foi a edição de um Plano de Carreira que não contemplou os trabalhadores. Na hora da discussão das bases financeiras, o prefeito fechou as portas da negociação, alegando que não poderia mexer uma vírgula em sua proposta. E não mexeu mesmo!

Mas a prefeitura não quer conceder nem a revisão anual dos salários?
Nem mesmo a lei o prefeito quer cumprir. Essa revisão salarial está amparada pelo inciso X do art. 37 da Constituição Federal que assegura a reposição das perdas inflacionárias anuais aos servidores públicos. A Câmara já aprovou e  está pagando aos seus servidores o que é de direito.

Mudando de assunto, o que você tem a dizer sobre a Lei Eurides Amâncio?
Foi uma conquista dos homoafetivos de Cataguases. É importante assegurar a essa parcela da população o direito de recorrer ao Judiciário, no caso de agressão por conta de sua opção afetiva. A lei  considera atos atentatórios e discriminatórios a pessoas homoafetivas a submissão a qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidativa ou vexatória de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica. Por exempo, é ilegal, a partir da publicação da lei Eurides Amâncio, a proibição aos homoafetivos de ingressar ou permanecer em qualquer ambiente ou estabelecimento público ou privado, devido à opção sexual. Está previsto também que os homoafetivos não podem ser demitidos de seus empregos por conta da sua orientação afetiva.   

Na prática, como vai funcionar a lei?
Ela é um instrumento que a pessoa tem para ser utilizado na instância judicial, como base para a sua reclamação. O homoafetivo agredido pode ir à justiça com a Lei debaixo do braço e pedir a reparação de seu prejuízo (dano físico ou moral).

E a cachorrada solta nas ruas?
O imobilismo da prefeitura nessa questão é “cavalar”. Existe uma lei de 1937 que assegura aos animais abandonados a proteção do Estado. E o Estado aqui em nossa cidade é o Município que, hoje, é administrado pelo senhor Willian Lobo. É dele a obrigação de equacionar a questão de animais soltos e abandonados nas ruas.

E a proposta do projeto de lei de Proteção Aos Animais?
Já está pronta, discutida e entregue ao Executivo há mais de quatro meses.  Tivemos o cuidado de construir um texto lei que não penaliza o município com gastos excessivos. Não queremos a construção de canil para prender os animais. Isso vai contra a natureza dos bichos. A comunidade tem que conviver pacificamente com eles e respeitar os seus direitos. Quem agride os animais, agride também as outras pessoas. Então, não cabe ao setor público dar esse mau exemplo.

E o risco de contaminação?
Há centenas de cachorros e gatos que convivem no ambiente familiar de nossa cidade e não tenho notícias de que  passaram doença pra alguém. Se a prefeitura cumprir sua obrigação, cadastrando, vacinando e tratando dos cães e gatos de rua, não haverá risco algum. Quanto aos cavalos, acho que a prefeitura está correta em recolhê-los e aguardar que seus donos se manifestem. Quem tem cavalo é porque explora economicamente o animal. Então é preciso prover sua alimentação, saúde  e um local fechado para pernoite. Não pode deixar solto nas ruas. Isso é perigoso, tanto para o animal, quanto para a população.

E a Casa da Rua Alferes?
Se depender da prefeitura, já a perdemos. A prefeitura abriu mão de comprar o imóvel por R$ 240 mil, em seis parcelas. Calculo que o seu valor deve girar em torno de R$ 600 mil. O nosso prefeito não se dispôs nem mesmo a apresentar uma contraproposta à juíza que mostrou boa vontade em manter a Casa em nome do Município.

Ela é importante historicamente?
A construção remonta ao final do século XIX. Não existe em Cataguases outro imóvel que possa nos dar a exata dimensão do gosto estético, dos costumes, da forma de morar dessa época, só a Casa da Rua Alferes. Sabemos que nela morou o  serventuário da Justiça, Antônio Januário Carneiro e foi herdada pela família que ali permaneceu, se não me engano, até a década de 1970.

A iniciativa privada não se dispõe a adquirir o imóvel e recuperá-lo?
Já fiz essa proposta a dois institutos ligados às atividades culturais em Cataguases, há mais de dois meses. A idéia seria de tentar reabrir o processo de desapropriação. Os institutos, no caso, aportariam o dinheiro ao município e este repassaria o imóvel sob cessão de uso por, pelo menos 30 anos. Esses institutos poderiam buscar financiamento nas diversas entidades e no setor público para recuperação da Casa. Mas não recebi nenhuma resposta dessas entidades, até agora. Pelo visto, esse caminho também não está se viabilizando.

Como anda a aplicação da Lei Ascânio Lopes?
Depois de muito sangue, suor e lágrimas, conseguimos que a prefeitura liberasse uma parcela de R$ 100 mil. Cada beneficiado recebeu um adiantamento de seu projeto aprovado. Um evento já está acontecendo, a Fundição Sônica. A primeira apresentação foi em Sereno e a segunda será no dia 14 de novembro, no estacionamento da Fic.

Há algum problema na aplicação da Lei?
Se a prefeitura não aproveitá-la para desenvolver uma política cultural na cidade, o seu efeito será pífio. É preciso que haja sinergia entre Secretaria de Educação, Secretaria de Cultura e titulares de projetos aprovados para levar as obras até a população.

Vamos falar um pouco das eleições de outubro...
Foram completamente despolitizadas, principalmente se a gente analisar a proporcional, que elegeu deputados e senadores. Uma avalanche de dinheiro tomou conta das campanhas.  Não houve debate acerca dos interesses públicos; não se realizou um só comício; não fomos convidados à sensata pausa para meditação sobre  propostas políticas; fomos encarados como crianças, estimuladas a decorar e repetir os jingles dos candidatos, sob o ataque cerrado da publicidade volantes. Discussão política, zero! Isso sem contar as notícias de formação de “curral eleitoral” na nossa instância pública. Uma vergonha, os coronéis estão de volta!

E nas majoritárias para Governador e Presidente?
Nessas Cataguases deu show e a administração local deve colocar as barbas de molho: o candidato Hélio Costa, representando a resistência ao neoliberalismo tucano em nossa cidade, levou 20.034 votos, um percentual de 55,33% dos votos válidos. Anastasia, o homem do choque de gestão, afilhado e protegido do ex-governador Aécio Neves, defensor da idéia de que a  política deve se submeter à economia e às planilhas, ficou com apenas 15.439 votos (42,64%). Como se pode concluir, Cataguases não desejava nem mesmo um segundo turno nesse pleito.

E o candidato que levou quase 20 mil votos?
Isso reflete a fragilidade da nossa saúde pública. A racionalidade política foi esquecida e os eleitores foram confundidos por um atendimento mais humanizado, mas dado em outra cidade e por uma fundação. A carência é grande e o resultado foi este. Estão importando as lideranças políticas de Muriaé para Cataguases. Isso é muito grave.

Como você avalia o resultado dos “candidatos da terra”?
São pessoas dignas e interessadas no bem de Cataguases. Há, realmente, essa necessidade de elegermos candidatos que assumam as demandas da cidade. Mas precisamos mudar nossa forma de fazer política. O que acontece? Lançam-se nomes, sem um diálogo prévio com partidos ou grupos de apoio que possam vir a dar sustentação a essas candidaturas. É preciso conversar antes, firmar acordos políticos de interesse coletivo, para que as postulações possam se legitimar com mais força. A decisão do nome a ser lançado deve ser tomada coletivamente e num leque o mais aberto possível de forças da sociedade. Do contrário, a decepção é quase certa.

E o mercado de trabalho em Cataguases?
As notícias não são boas:  a Transeguro, empresa de transporte de valores, transferiu a sua administração para a cidade de Juiz de Fora, jogando no desemprego cerca de 300 trabalhadores. A Cia Manufatora atravessa fase difícil e tem reduzido drasticamente seu quadro de funcionários. A Têxtil Cataguases também já anuncia o fechamento de suas portas e a Indusfil já encerrou suas atividades.

O que você sugere para o enfrentamento desses problemas?
Uma das alternativas é buscar crédito para aqueles que querem montar empreendimentos na cidade. Ampliando o número de micro e pequenas empresas, vamos fazer crescer a produção de mercadorias e, por conseqüência, o mercado de trabalho e a distribuição de renda. Há no Estado uma Secretaria de Indústria e Comércio e o Governo Federal também dispõe de Ministério para o desenvolvimento do país. Por que não recorrer a esses setores para acudir nossa cidade?

Mas isso não é pegar o gato pelo rabo?
Paralelamente a essa iniciativa, o setor público deve convocar toda a sociedade para discutir os caminhos que a cidade deve tomar para organizar o seu setor produtivo. É preciso dialogar com todos os setores do município: Faculdades, Associações de Bairro, Sindicatos do Comércio, CDL etc. Não dá para tirar as soluções da cartola, senão vai acontecer o mesmo que aconteceu com a votação nos “candidatos da terra”.


Há tempo para isso?
Há, mas a interlocução entre setor público e sociedade já devia estar acontecendo há muito tempo. Temos reclamado constantemente que o nosso Plano Diretor, aprovado no final de 2006, já deveria ter sido regulamentado, indicando para onde a cidade vai crescer, em qual setor produtivo vão se dar os investimentos, onde a construção civil poderá atuar e em quais condições, qual a política cultural para a cidade etc.

E como se começa esse diálogo?
Nosso mandato estará solicitando brevemente à Câmara que organize uma audiência pública para discutir o tema “Economia e Mercado de Trabalho em Cataguases”. Vamos convocar todo mundo para participar.

Ubá, Piraúba, Rodeiro estão em franco crescimento...
Vamos cobrar dos deputados que foram bem votados por aqui emendas beneficiando também o nosso município. Mas antes precisamos estabelecer as nossas prioridades, elaborar o nosso projeto de reconstrução da cidade, discutir o nosso “Arranjo Produtivo “.  Aí sim, vamos recorrer, não só aos deputados, mas aos governos federal e estadual. Fazer política é isso.

Fonte: Jornal Cataguases em Notícias