sábado, 26 de fevereiro de 2011

Edital da Lei Ascânio Lopes não tem previsão de publicação

Lei homenageia o jovem poeta .
A publicação da Lei Ascânio Lopes prometida pelo procurador do Município de Cataguases, Dr. Roosevelt Pires, para o dia 25 de fevereiro, acabou não acontecendo. A Alguns membros da Acriar (Associação dos Criadores de Arte de Cataguases, Produtores de Eventos Culturais e Entretenimento), entre eles o vereador Vanderlei Pequeno, autor do projeto que contempla trabalhos de artistas da cidade, o procurador afirmou que o Secretário de Cultura, José Vitor Lima, pretende fazer modificações no Edital deste ano e por isso a publicação acabou não saindo.
No ano passado, o Edital foi publicado no dia 04 de fevereiro e as inscrições ficaram abertas até o dia 30.04.2010. Ainda segundo informação do procurador do município, o Secretário de Cultura quer conversar com os principais interessados na publicação da lei, os artistas cataguasenses, sobre as modificações no Edital, no entanto não soube dizer em que data essa conversa ocorrerá. 

Reação da ACRIAR
"Diante desse impasse, os membros da Acriar, solicitam a todos interessados no assunto para uma reunião, na sede da entidade , nesta segunda-feira, dia 28 de fevereiro, às 19h e 30 min, no Edifício Vogue, 1º andar, para discutir a questão e, se for o caso, tomar medidas cabíveis para solucioná-la".  Afirmou Vanderlei Pequeno.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Ruas do Primavera recebem calçamento



Bairro Primavera
 Em evento realizado às 19h30 da noite desta sexta-feira, 18, na parte alta da Rua José Dias, a Administração Municipal entrega à comunidade do Bairro Primavera as obras de urbanização e calçamento daquela via e também das ruas Itagiba Rodrigues, Francisco Trocolli Masseli e Sebastião Fonseca, num total de 800 metros de pavimentação em bloquetes.
Ainda neste mês, foi concluído o assentamento de 570 metros de blo-quetes na Rua Sebastião Siervi, no bairro Bom Sucesso.
Desde o início das obras, em setembro do ano passado, 4.461 metros de calçamento já foram executados, incluindo a pavimentação em bloquetes nas três ruas da Povoado da Lajinha (Distrito de Aracati) e o asfalto em dez ruas do Bairro Taquara Preta (naquele bairro serão ainda asfaltadas outras sete ruas, que integram a chamada Taquarinha). Os projetos foram elababorados pela Coordenadoria de Engenharia da Secretaria Municipal de Obras e os recursos, da ordem de R$ 3,3 milhões, foram liberados pelo governo de Minas, através da Setop, aos cofres municipais.
Nesta semana, funcionários da Companhia da Obra recuperaram a canalização de um córrego entre a Rua Edgard Coutinho, no bairro São Pedro, até a Avenida das Indústrias, no Santa Clara. Já no bairro Leonardo foram reiniciadas as obras de infraestrutura de rede pluvial na Rua Nelson Fonseca e começou a pavimentação em bloquetes na Rua Aída Carvalheira Peixoto.
 Também nesta semana, a Companhia da Obra (empresa licitada para a execução do programa) concluiu 280 metros de calçamento em bloquetes distribuídos por três ruas do bairro Menezes (na localidade conhecida por Cafezal).


 por Ass. Com. PMC

Fonte:http://www.cataguases.mg.gov.br

Inscrições para Técnico em Agropecuária estão abertas

Técnico em Agropecuária modalidade a Distância - 2011

* Período das Inscrições: 21 de fevereiro a 10 de março de 2011
* Exame de Seleção: 13 de março, de 08 às 12hs, nos pólos de apoio presencial, Alfenas e Cataguases - MG
* Vagas: Cataguases 29. 
*Site para Inscrições: http://www.barbacena.ifsudestemg.edu.br/conteudo/formulario-inscricao-ead
*Informações ou dúvidas: sead.barbacena@ifsudestemg.edu.br ou tel : (32)-3693-8626 

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Frase do dia:

 

“Não há uma solução para o Brasil sem uma solução para o Nordeste e não há uma solução para o Nordeste sem uma solução para o Semiárido.”

Presidenta Dilma Roussef

Romário no seu primeiro dia de trabalho na Câmara dos deputados







Prefiro não comentar!!!

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Desigualdade social e renda injusta

Frei Betto

Escritor e assessor de movimentos sociais
Adital
     Entre os 15 países mais desiguais do mundo, 10 se encontram na América Latina e Caribe. Atenção: não confundir desigualdade com pobreza. Desigualdade resulta da distribuição desproporcional da renda entre a população.
O mais desigual é a Bolívia, seguida de Camarões, Madagascar, África do Sul, Haiti, Tailândia, Brasil (7º lugar), Equador, Uganda, Colômbia, Paraguai, Honduras, Panamá, Chile e Guatemala.
     A ONU reconhece que, nos últimos anos, houve redução da desigualdade no Brasil. Em nosso continente, os países com menos desigualdade social são Costa Rica, Argentina, Venezuela e Uruguai.
     Na América Latina, a renda é demasiadamente concentrada em mãos de uma minoria da população, os mais ricos. São apontadas como principais causas a falta de acesso da população a serviços básicos, como transporte e saúde; os salários baixos; a estrutura fiscal injusta (os mais pobres pagam, proporcionalmente, mais impostos que os mais ricos); e a precariedade do sistema educacional.
      No Brasil, o nível de escolaridade dos pais influencia em 55% o nível educacional a ser atingido pelos filhos. Numa casa sem livros, por exemplo, o hábito de leitura dos filhos tende a ser inferior ao da família que possui biblioteca.
      Na América Latina, a desigualdade é agravada pelas discriminações racial e sexual. Mulheres negras e indígenas são, em geral, mais pobres. O número de pessoas obrigadas a sobreviver com menos de um dólar por dia é duas vezes maior entre a população indígena e negra, comparada à branca. E as mulheres recebem menor salário que os homens ao desempenhar o mesmo tipo de trabalho, além de trabalharem mais horas e se dedicarem mais à economia informal.
     Graças à ascensão de governos democráticos-populares, nos últimos anos o gasto público com políticas sociais atingiu, em geral, 5% do PIB dos 18 países do continente. De 2001 a 2007, o gasto social por habitante aumentou 30%.
     Hoje, no Brasil, 20% da rendas das famílias provêm de programas de transferência de renda do poder público, como aposentadorias, Bolsa Família e assistência social. Segundo o IPEA, em 1988 essas transferências representavam 8,1% da renda familiar per capita. De lá para cá, graças aos programas sociais do governo, 21,8 milhões de pessoas deixaram a pobreza extrema.
     Essa política de transferência de renda tem compensado as perdas sofridas pela população nas décadas de 1980-1990, quando os salários foram deteriorados pela inflação e o desemprego. Em 1978, apenas 8,3% das famílias brasileiras recebiam recursos governamentais. Em 2008, o índice subiu para 58,3%.
        A transferência de recursos do governo à população não ocorre apenas nos estados mais pobres. O Rio de Janeiro ocupa o quarto lugar entre os beneficiários (25,5% das famílias), antecedido por Piauí (31,2%), Paraíba (27,5%) e Pernambuco (25,7%). Isso se explica pelo fato de o estado fluminense abrigar um grande número de idosos, superior à media nacional, e que dependem de aposentadorias pagas pelos cofres públicos.
    Hoje, em todo o Brasil, 82 milhões de pessoas recebem aposentadorias do poder público. Aparentemente, o Brasil é verdadeira mãe para os aposentados. Só na aparência. A Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE demonstra que, para os servidores públicos mais ricos (com renda mensal familiar superior a R$ 10.375), as aposentadorias representam 9% dos ganhos mensais. Para as famílias mais pobres, com renda de até R$ 830, o peso de aposentadorias e pensões da previdência pública é de apenas 0,9%.
          No caso do INSS, as aposentadorias e pensões representam 15,5% dos rendimentos totais de famílias que recebem, por mês, até R$ 830. Três vezes mais que o grupo dos mais ricos (ganhos acima de R$ 10.375), cuja participação é de 5%.
       O vilão do sistema previdenciário brasileiro encontra-se no que é pago a servidores públicos, em especial do Judiciário, do Legislativo e das Forças Armadas, cujos militares de alta patente ainda gozam do absurdo privilégio de poder transferir, como herança, o benefício a filhas solteiras.
       Para Marcelo Neri, do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas, no Brasil "o Estado joga dinheiro pelo helicóptero. Mas na hora de abrir as portas para os pobres, joga moedas. Na hora de abrir as portas para os ricos, joga notas de cem reais. É quase uma bolsa para as classes A e B, que têm 18,9% de suas rendas vindo das aposentadorias. O pobre que precisa é que deveria receber mais do governo. Pelo atual sistema previdenciário, replicamos a desigualdade.”
        A esperança é que a presidente Dilma Rousseff promova reformas estruturais, incluída a da Previdência, desonerando 80% da população (os mais pobres) e onerando os 20% mais ricos, que concentram em suas mãos cerca de 65% da riqueza nacional.
Fonte: adital.org.br

Frase da Veja:


“O PSDB está ruim. E vai piorar”.
Do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, numa roda privada de conversa 
analisando o futuro do próprio partido.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Maçonaria: Trevas ou luz?


O que George Washington, Benjamin Franklin, a reunião de Boston, Davi Crockett, a Estátua da Liberdade, 17 presidentes americanos, a maior parte da família real, Sam Nunn, Jesse Helms, Ronald Reagan, Burllves, Roy Rogers, Norman Vicent Peale, e milhares de proeminentes líderes cristãos e pastores têm em comum? A Maçonaria! Confira sobre o tema neste documentário dividido em quatro partes:


Parte  01:
http://www.youtube.com/watch?v=UTEZ49B1pnk
Parte 02:
http://www.youtube.com/watch?v=slCa8jbXvYI
Parte 03:
http://www.youtube.com/watch?v=k--0dj78PsI
Parte 04: 
http://www.youtube.com/watch?v=0zI9Sh7w6BA

FHC: Um passado que o Brasil quer esquecer!

Algumas pessoas dizem que eu não reconheço em FHC o início da estabilização da moeda e da saúde financeira do Brasil. Já expliquei que não se trata disso. Primeiro porque FHC só assinou as notas do real porque o Rubens Ricupero (Verdadeiro pai do plano real) deixou, por educação, o FHC entrar para a história. Depois, pela dependência que FHC criou no Brasil ao "lei-doar" as estatais e viver pedindo empréstimos ao FMI. Agora assistam a esse vídeo e entendam como é que o Sr Henrique, conseguiu envergonhar nosso país em uma das inúmeras vezes. Detalhe: José Serra sempre foi seu fiel escudeiro.