segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Meia Ponta Cia. de Dança se apresenta em Cataguases nos dias 27 e 28 de agosto


A Meia Ponta Cia de Dança, de Belo Horizonte, traz o espetáculo de danças para crianças “Um lugar que ainda não fui” para Cataguases, nos dias 27 e 28 de agosto.  No sábado, a apresentação será às 19 horas e no domingo, às 16 horas, sempre no Centro Cultural Humberto Mauro (Rua Coronel Vieira, 10), com ingressos a R$ 10,00 e R$ 5,00 meia entrada. Na sexta, o grupo promove uma apresentação fechada para a Escola Estadual Guido Marlière e ainda realiza uma oficina no Centro das Tradições Mineiras.
Nos seus quase 20 anos de percurso, a Meia Ponta Cia. de Dança sempre buscou valorizar o trabalho de pesquisa, fomentando o intercâmbio entre os diversos campos das artes, além de desenvolver uma linguagem própria na dança contemporânea.
Com 10 espetáculos montados – Entre Amigos (1989), Wa’Ya Festa Xavante (1991), Poética das Nuvens (1992), Majnúm (1994), Brevidade (1999), Entre o Silêncio e a Palavra (2003), Coisa de Dentro e Do Contrario Assim Seria o Mesmo (2005) e os infantis “De esconder para Lembrar” (2008) e “Um lugar que ainda não fui” (2010) - a Meia Ponta já trabalhou com coreógrafos de grande importância para a dança brasileira, como Tuca Pinheiro, Mário Nascimento, Denise Stutz, Tindaro Silvano, Luis Arrieta, Arnaldo Alvarenga e Dudude Hermann, além dos artistas plásticos Marcelo Xavier, Mônica Sartori e Marcos Paulo Rolla, os músicos Kiko Klaus e Cláudia Cimbleris e o vídeomaker Leandro HBL.

o espetáculo

É possível que você não se lembre, mas tem um tempo na vida em que todos os dias a gente visita lugares onde nunca foi. É quando o mundo, as pessoas, as coisas são feitos de possibilidades, e tudo ainda está por ser descoberto. Pois é só atravessar uma porta no meio do palco do Meia Ponta Cia. de Dança para voltar para esse tempo e lugar.
O novo espetáculo do grupo – batizado “Um lugar que ainda não fui” e inspirado no livro “Um mundo de coisas”, de Marcelo Xavier -, na verdade, quer falar com as crianças. Com direção de Marisa Pitanga Monadjemi, coreografia de Tuca Pinheiro e música especialmente composta por Kiko Klaus, abre mão das palavras, mas recorre a uma linguagem muito íntima desse público tão particular: a fantasia. E aproveita das alegorias e objetos para contar sua história, que pode muito bem ser lida como um diário de navegação e tudo que ele tem de novidade, incerteza e desafio.
O mundo que a companhia leva para a cena se constrói (e desconstrói) a cada brincadeira. Uma caixa enorme e quadriculada pode tanto virar um barco pronto para explorar o desconhecido quanto um grande e agitado boi-bumbá. Cartolas, barbantes, papel de jornal ganham funções surpreendentes e com toques de improviso. O elenco também se comporta como se participasse de um jogo, em que o importante mesmo é o processo, pois é quando ainda é possível ter iniciativa, correr riscos, criar situações e poder reagir a elas. Bailarinos promovidos a crianças aprendem que podem dominar o ambiente e têm o poder de decidir as regras.
             Em “Um lugar que ainda não fui”, a dança que se apresenta ousa ser alegre, ter o espírito leve, a coragem matinal, os instantes satisfeitos. E lembra que, nas brincadeiras, o corpo experimenta e coloca em prática o sentido de movimento físico, mas de uma maneira descomplicada, simples, que não exige treinamento para se comunicar. Para criançada, vai ser mais uma deliciosa visita ao quarto de brinquedos.

domingo, 21 de agosto de 2011

A greve dos professores é justa?

Por Gilvander Luís Moreira[1]

No dia 16 de agosto de 2011, à tarde, participei de mais uma Grande Assembléia Geral das/os professoras/res da Rede Estadual de Educação do Estado de Minas Gerais, na Praça da Assembléia Legislativa, em Belo Horizonte, MG, Brasil.
Essas trabalhadoras/se estão em greve há 70 dias (desde 08/06/2011) e decidiram manter a greve por tempo indeterminado. Era um mar de educadores! Cabe então a seguinte pergunta: essa greve é justa ou é condenável até mesmo em vista da longa duração?
Vejamos. Em Minas, há 3.700 escolas estaduais. Professor/a da Rede Estadual de Educação de Minas Gerais, com nível médio de escolaridade ganha, como vencimento básico, R$369,00; e com licenciatura plena, R$550,00. Diz o governo: “Além do vencimento básico, há gratificações e subsídios.” De acordo com o Ministério da Educação, o Piso Salarial Nacional, instituído pela Lei Federal 11.738/08, é, hoje, R$1.187,00 e, de acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE -, deveria ser R$1.597,87. Relatório técnico do Tribunal de Contas do Estado comprovou que o Governo de Minas não investe o percentual constitucional de 25%[2] em educação pública. Na ADIN[3] 3.106, o Supremo Tribunal Federal – STF - reconheceu a inconstitucionalidade da compulsoriedade da contribuição descontada no contracheque das/os professoras/res de 3,2% (assistência médica) do IPSEMG[4]. Em 2001, o Estado de Minas investia 30,57% em educação e em 2010 este percentual caiu para 16,08%.
O STF, em 06/04/2011, ao julgar a ADIN 4.167 definiu a composição do Piso Salarial: vencimento básico inicial da carreira do professor de nível médio de escolaridade, excluídas quaisquer vantagens e gratificações e deve ser aplicada uma proporção aos demais níveis e cargos da carreira. Logo, o governo de Minas está desrespeitando a Lei Federal 11.738/08, pois não está pagando o Piso Salarial Nacional.
A luta dos professores é pelo Piso Salarial Nacional: se não R$1.597,87, pelo menos R$1.187,00. Piso é piso – o mínimo -, não é teto. O governador de Minas, Sr. Antonio Anastasia, (PSDB + DEM) insiste em manter – fala até em aumentar – o subsídio, mas subsídio é subsídio, é ajuda complementar que pode ser retirada a qualquer momento.
O ponto dos grevistas foi cortado e o Governo mandou contratar professores, de forma precária, para substituir os educadores no 3º ano do segundo grau.
Em vez de investimento em políticas sociais públicas - moradia popular, reformas agrária e urbana, saúde pública, educação pública, preservação ambiental, economia popular solidária, transporte coletivo público, os governos Federal e Estadual estão canalizando os recursos públicos para a repressão, em nome da defesa social. Prisões e mais prisões estão sendo construídas, verdadeiras masmorras, campos de concentração. A cada dia cegonhas lotadas descarregam viaturas policiais. Policiais por todo lado. É a militarização da sociedade. Segue-se um projeto de encarceramento de massas – pobres, negros e jovens.[5] Em João Pinheiro, MG, cidade de 70 mil habitantes, por exemplo, após a construção de uma penitenciária com capacidade para 193 presos, muitos professores da Rede Estadual de Educação fizeram concurso para serem agentes penitenciários. Um professor, que a contragosto se tornou agente penitenciário, disse: “como professor não tinha mais condições de manter minha família. Como agente penitenciário, ganho acima de dois mil reais por mês.”
A greve está se fortalecendo por vários motivos. O Sindicato dos Trabalhadores da Educação – SINDUTE – está muito bem organizado. A remuneração injusta está causando grande sofrimento para as/os educadoras/res e para as suas famílias. Dezenas de outros sindicatos e dezenas de movimentos sociais populares, do campo e da cidade, engajaram na luta dos professores. Pelo exposto acima, percebo que a greve das/os professoras/res da Rede Estadual de Educação de Minas é justa e legítima.
Governador Antonio Anastasia, o ano letivo de 2011 dos estudantes será perdido? Se isso acontecer está claro que a responsabilidade não será dos professores que lutam justamente. A culpa é do Governo de Minas Gerais, contraditoriamente representado por um professor!

Gilvander Luís Moreira, é Educador Popular,
militante de diversos movimentos sociais em MG 
e autor de vários livros.
[1] Frei e padre carmelita, assessor da CPT, CEBI, SAB e Via Campesina; e-mail: gilvander@igrejadocarmo.com.brwww.gilvander.org.brwww.twitter.com/gilvanderluis

[2] Cf. Constituição Federal, art. 212.
[3] Ação Direta de Inconstitucionalidade.
[4] Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais.
[5] Cf. o Filme Tropa de Elite II.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

PT Cataguases - Nota de Apoio aos professores


    
Cataguases MG, 17 de Agosto de 2011
 
O Partido dos Trabalhadores de Cataguases apóia o Movimento dos Profissionais em educação estaduais e Municipais pelo pagamento do Piso Salarial  da Educação de R$ 1.597,87.

    
A lei federal 11.738/08 é clara ao dizer que o Piso é o vencimento básico do trabalhador e o Supremo Tribunal Federal tem o mesmo entendimento, mas o Estado de Minas mantém a distorção, apresentando valores que não correspondem à realidade.
 
   Em Cataguases a situação não é diferente. O governo local do PSDB continua intransigente e não apresenta uma proposta mínima que contemple os trabalhadores da educação do município.
 
   A recusa do governador Antônio Anastasia em negociar  representa o risco da perda do ano letivo dos alunos, o que é lastimável.
 
   Além disso, o governo coloca Minas na contramão da necessidade emergente do Brasil. O país desenvolve suas relações democráticas e a educação se torna essencial, enquanto o autoritarismo e a truculência na relação com os trabalhadores se tornam inaceitáveis.
  
- EXECUTIVA MUNICIPAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES DE CATAGUASES -
  

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Lista das cidades que mais criaram empregos na Zona da Mata Mineira

Este ordinário blogueiro, intrigado com as reclamações dos moradores quanto ao nível de desemprego e provável sucesso das cidades vizinhas, resolveu tirar a prova dos nove e consultou os dados do Ministério do Trabalho e Emprego, no primeiro semestre de 2011. Dados são dados, e a interpretação deles é muito subjetiva, ou seja, cada um concluiu da forma que lhe aprouver. Em Cataguases, nos seis primeiros meses foram criados 225 empregos. Destes, 169 foram pela administração Pública, ou seja, as demais áreas (Indústria, comércio, etc) criaram apenas 56 vagas com carteira assinada. Cataguases foi responsável pela Contratação de 55% dos empregos na área pública, na microregião. Outro destaque negativo é Além Paraíba. A cidade, que faz fronteira com o Estado do Rio de Janeiro apresentou neste período uma queda de 12,46% o nível de emprego. Lastimável.


Evolução do emprego na Zona da Mata
Janeiro a Junho – 2011
 
Posição
Cidade
Crescimento Absoluto

  1.  
Astolfo Dutra 
7,70%

  1.  
Dona Eusébia
6,67 %

  1.  
Viçosa 
4,96 %

  1.  
Rodeiro
3,76 %

  1.  
Guarani
3,34 %

  1.  
Ubá
3,30 %

  1.  
Visconde do Rio Branco
1,99 %

  1.  
Mirai
1,97 %

  1.  
Cataguases
1,31 %

  1.  
Leopoldina
1,31 %

  1.  
Muriaé
0,32 %

  1.  
Além Paraíba
-12,46%

Consolidado - Cataguases: 

Área
Admissões
Demissões
Variação
Extrativa Mineral
03
12
-7,03%
Indústria de Transformação
843
828
+0,28%
Serviços Industrias de Utilidade Pública
46
28
+3,17%
Construção Civil
290
272
+3,3%
Comércio
682
748
-2,21%
Serviços
849
792
+1,28%
Administração Pública
249
80
+8,79%
Agropecuária
74
51
+6,93%

3036
2811


+ 225 empregos

Elaborado por Elias Júnior
Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego



Jovem é preso vendendo drogas na Exposição de Sereno

Um rapaz de 25 anos foi preso na madrugada deste sábado (13) no Parque de Exposições, do distrito de Sereno. A Polícia Militar recebeu denúncias de que o suspeito estaria vendendo drogas no banheiro de uma festa. Foram encontrados 11 papelotes de cocaína e mais de R$200 em dinheiro. O rapaz foi preso em flagrante e está preso na cadeia de Leopoldina.
 Fonte: Megaminas

Moradores do Guanabara reclamam de falta de infra-estrutura e má conservação do Bairro



Em Cataguases, os moradores do bairro Guanabara estão se sentindo abandonados. A cada chuva, eles perdem o acesso às ruas: há, inclusive, um escadão que está deslizando e levando parte de algumas casas. Além disso, um buraco que está cada vez maior ameaça a passagem de veículos, o transporte coletivo e a vida, principalmente das crianças que brincam ou moram por perto. A única área de lazer do bairro também está em péssimas condições.

A cratera invade a rua Goitacases há seis anos, e dificulta a passagem de veículos, segundo os moradores. O acúmulo de entulho e lixo é outro problema. Perto do local, as fortes chuvas que atingem Cataguases não tem vazão pela boca de lobo entupida. A água desce morro abaixo e leva terra para o bairro vizinho. Na Rua Basílio Ramos fica o escadão que chegou a ser fechado pela Prefeitura. Cerca de um 1,20m do concreto da calçada já deslizou e algumas casas foram interditadas.

Na quadra do bairro, um problema que existe e não tem ligação com as chuvas que atingem o Guanabara: o espaço está abandonado e, para piorar, é a única área de lazer. O local está com as lâmpadas queimadas, piso quebrado e com a tela solta; mesmo assim, as crianças ainda brincam. Os pais se preocupam: a dona de casa Irene do Carmo diz que a quadra é perigosa.

A Associação de Moradores responde por dois bairros: o Imê Farage e o Guanabara. O presidente da Associação, Manoel Geraldo de Souza, estima que cerca de 8.500 pessoas vivem no local, e destaca que a situação é de abandono.

Para a revitalização da quadra, o procurador do município, Roosevelt Pires, informa que não existe prazo, e diz que a prefeitura sabe dos problemas e realiza um trabalho nos bairros da cidade. Quanto às linhas de ônibus que deixam de circular na época da chuva, o procurador disse que o veículo não consegue subir por causa da pavimentação precária. Ele afirma que os trajetos serão asfaltados.

O bairro Guanabara também tem problemas com a unidade de saúde: os moradores dizem que faltam médicos e que as consultas sempre atrasam. Entretanto, o procurador do município garantiu que, a partir desta semana, um médico será substituído para que as consultas não atrasem mais.

Fonte: Megaminas

Cataguases paga a gasolina mais cara na região.



Litro do combustível pode chegar até a R$2.99


Motoristas de Cataguases reclamam do preço do combustível. Na cidade, o litro da gasolina pode chegar até a R$2.99. Levar o carro para abastecer na cidade exige cada vez mais do bolso dos motoristas. O preço, que não para de subir, assusta. A cidade tem a gasolina mais cara entre as principais cidades da região.
De acordo com pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o litro do combustível no município varia de R$2.93 a R$2.99. Em Ubá, o preço está entre R$2.76 e R$2.89. A variação em Juiz de Fora é de R$2.54 a R$2.79. Em Barbacena, de R$2.79 a R$2.91, e em Leopoldina, de R$2.79 a R$2.89.
O preço do etanol também é um dos mais altos da região. Enquanto em algumas cidades o litro não chega a R$2, em Cataguases não sai por menos de R$2.23.
Enquanto o preço não baixa, os motoristas têm que se acostumar a desembolsar mais pelos combustíveis. Mas as reclamações só aumentam.
 
Fonte: Megaminas.com

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

O Facebook ajuda Cataguases?

      Há tempos gostaria de escrever sobre esta ferramenta que virou febre entre os "internetmaníacos". Postar uma foto, desabafar um sentimento ou compartilhar um vídeo nunca foi tão excitante quanto agora. Isso está acontecendo desde as grandes metrópoles onde os pares propõem atividades coletivas, às pequenas cidades com "fato-grafias" do seu cotidiano. 

     Mas esta ferramenta aparentemente inofensiva, causa grandes impactos quando é usada pela população para exercitar sua cidadania quando propõe melhorias para sua cidade, seu país. É um espaço de debate público e organização popular que há tempos não se via. 

   Durante décadas, soldados vigiaram o prédio da União de Rádio e Televisão egípcia no Cairo, aparentemente para proteger a formidável rede do país de uma tentativa de revolução. Mas a renúncia de Hosni Mubarak mostrou que o poder dos sites de mídia social e a tecnologia de telefonia móvel provaram ser uma ameaça muito maior para o ex-presidente egípcio. Com os protestos se propagando da Tunísia e do Egito para Bahrein, Iêmen, Argélia e Líbia, a ideia contagiosa de uma "Revolução Twitter" ou "Revolução Facebook " está sendo debatida. Qual a importância da mídia social nesses levantes? 

     Com amplos segmentos das populações árabes desempregados, marginalizados e se sentindo impotentes para mudar o seu futuro sob regimes autoritários, todos os elementos para a revolta estavam lá. Os meios de comunicação social ajudaram a tornar as queixas mais urgentes e difíceis de ignorar. 

     Em Cataguases tenho acompanhado as reivindicações de algumas pessoas em relação à ações da política municipal: uns apoiando, outros reivindicando. Confesso que deste embate, saudável (salvo algumas exceções), fico muito satisfeito em ver que as pessoas estão debanto assuntos essenciais para que Cataguases possa progredir e ser novamente uma cidade moderna. 

     Certa vez, fiz coro a uma crítica dura ao investimento da Prefeitura em revistas caras e a falta de atualização de seu site. Hoje, o site da PMC é bem mais organizado e atual. Entristece-me porém, que a Câmara de Cataguases ainda não tenha notado que o seu site fora do ar, vai na contra-mão da história. A transmissão das sessões da Câmara não tem nem hora pra começar. Ponto negativo para uma casa que está com a imagem fragilizada perante a população da cidade.

     Mas o Facebook e o YouTube são apenas ferramentas, e elas por si só não trazem as mudanças que o mundo tem testemunhado. Profundas mazelas sociais – a repressão das frustrações políticas e econômicas – estão no centro dos protestos. O êxito de revoluções pacíficas no mundo árabe está começando a mudar a percepção da região da determinação de seus cidadãos de buscar a democracia em seus próprios termos. 

    Um exemplo cabal do poder das redes sociais aconteceu por estes dias. Por reivindicação de um internauta, via facebook, foi questionada a possibilidade de aceitação do passe estudantil nos finais de semana. Quais as dimensões da formação integral da Juventude? O jovem é só escola? Ele não tem direito de ter acesso à cultura nos finais de semana? Visitar amigos? 

     Após uma discussão entre militantes e os maiores interessados (estudantes), o vereador Vanderlei Pequeno (PT) apresentou ao legislativo de Cataguases o projeto de lei com o tema. O assunto deverá ser debatido em breve e se aprovado, causará grande impacto em Cataguases. 

      O Facebook é um instrumento de empoderamento da democracia, mas por si só, é um mero site de relacionamentos. O conteúdo, humano, é que pode fazer a diferença.


*Elias Júnior é acadêmico de Administração Pública - UFJF,
Professor e presidente de Associação de Bairros

terça-feira, 9 de agosto de 2011

LS Jack se apresenta em Cataguases no final de Setembro

A banda retoma os palcos depois do incidente com Marcus Menna.

A LS Jack estará em Cataguases. A banda interrompeu por seis anos a carreira, no auge do sucesso, devido ao incidente com o vocalista Marcus Menna que, após sofrer parada cardíaca durante uma lipoaspiração e ficar dois meses em coma, precisou se ausentar para tratamento. Marcus dedicou-se por três anos à fisioterapia e, hoje, já pratica diversas atividades físicas como musculação, pilates e corrida, além de estar terminando a faculdade de música. 

Mais uma vez a Mega Boate Acrópole dá a batida perfeita da boa música na cidade. Passando por uma nova fase, investindo em shows de qualidade, o cenário privilegiado de Cataguases terá a honra de conferir Marcus (vocais), Vitor Queiroz (baixo), Sérgio Ferreira (guitarras e vocais) e Bicudo (bateria) - o LS Jack agora é um quarteto. Os ingressos são limitados e o show acontece no dia 24/09. Vai aí a dica pra quem curte o som.

Praça Ativa chega a Cataguases neste sábado


"Olhos Vesgos de Maquiavel" de Fernando Cesário será lançado nesta sexta


Lolita, do escritor russo Vladimir Nabokov, um dos romances mais polêmicos da literatura, conta a paixão de um homem muito mais velho por sua enteada adolescente, linda, sensual e audaciosa. O escritor cataguasense Fernando Cesário está lançando seu mais novo romance, Olhos vesgos de Maquiavel, em que um professor de meia idade, se apaixona por uma de suas alunas adolescente, linda, sensual e audaciosa. As semelhanças entre as duas obras, no entanto, terminam por aí. A moça em questão tem tambémmuito de Capitu, a personagem de Machado de Assis em Dom Casmurro. Apesar de ser contada por um homem, nesta história ele é apenas coadjuvante, porque tudo gira e acontece em torno desta estudante, motivo que o  levou a compartilhar conosco esta sua experiência afetiva. Ao fim e ao cabo, podemos dizer que o livro é, sem dúvida, uma sensível homenagem à mulher.
Em Olhos vesgos de Maquiavel Fernando Cesário apresenta-nosVicente, que narra com a quase precisão de um diário, seu envolvimento com uma moça muito jovem, Cristine, quetem atitudes e reações próprias de quem já adquiriu experiência e maturidade. O autor expõe em detalhes os conflitos interiores do narrador e suas limitações, mostrando em contrapartida e subliminarmente, o poder que a mulher exerce nas relações amorosas.“Já trazia consigo a pimenta de uma mulher (...) Aos poucos, no entanto, se abeirava de volta a menina...” Cristine não é apenas forte e segura de seus atos. Ela é a síntese do que representa hoje a mulher em um relacionamento afetivo. “...ela, inalterada e plácida, não parecia se preocupar mi­nimamente, revelando extraordinário poder sobre suas emoções e impulsos”. É esta personalidade forte, distinta que nos faz crer que Cristine seja metade Lolita, metade Capitu. A primeira, mais volúpia e prazer, e a segunda, mais racional e estrategista, condições indispensáveis para compensar sua pouca idade e tomar as rédeas da situação.
Estamos, certamente, diante da melhor obra de Fernando Cesário, que anteriormente nos brindou com o premiado “Alma de Violino” e que agora posso dizer, sem medo de errar, era o prenúncio do que estava por vir com este excelente “Olhos vesgos de Maquiavel”. Um livro enxuto, denso, e que oferece uma leitura prazerosa nos impulsionando a seguir adiante nas memórias de Vicente sobre seus sentimentos por Cristine, além de revelar suas fraquezas, medos, certezas e tudo o mais que envolve paixões avassaladoras. “O invisível é o ensaio do medo, o invisível”. E se todos nós um dia, vivenciamos uma paixão, ler este romance permite voltar os olhos para as nossas lembranças e, involuntariamente, nos vemos em determinadas situações narradase,inconscientes,acabamos por fazeruma catarse de nós mesmos. Para quem acompanha a obra de Cesário,Olhos vesgos de Maquiavel” não apenas confirma o grande escritor que é, como também pode ser considerado um divisor de águas em sua literatura, cada vez mais íntima, precisa e singela.
*Marcelo Lopes é jornalista e historiador.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Morre Fernanda Lobo

Fernanda Lobo era formada em Artes Cênicas, pela Casa das Artes de Laranjeiras/CAL em 1987. Estreou na televisão em 1987. Estudava cinema na área de documentário e morava em Cataguases.Participou de dois clips musicais Copa 98, Samba e Rabo de Saia, respctivamente de Nelson Gonçalves e Gabriel Pensador. Era praticante de budismo de Nitiren Daishonin na BSGI.
Era  formada em:
  • Comunicação Social/Relações Públicas pela Faculdade de Comunicação e Turismo Hélio Alonso;
  • Contadora de Histórias pela Fundação Biblioteca Nacional;
  • Culturas Populares pela Oficina de Leitura e Culturas Populares com o folclorista Fernando Lébeis;
  • Teatro de Rua com o Grupo Tascábili de Bergamo;
  • Interpretação para Vídeo pela Atlântida Vídeo.

Trabalhos na televisão

  • 2007 - Linha Direta - Marisete
  • 2006 - Pé na Jaca - Macha
  • 2006 - Cobras & Lagartos - Isaura
  • 2004 - Senhora do Destino - Enfermeira
  • 2003 - Chocolate com Pimenta - Mulher Barbada
  • 2001 - Porto dos Milagres - Vênus
  • 2000 - Uga Uga - Gorda na lanchonete
  • 1999 - Você Decide - Canta-Conto com Bia Bedran
  • 1999 - Flora Encantada - Gana Ganância
  • 1997 - A Comédia da Vida Privada - Papai Foi à Lua
  • 1996 - O Fim do Mundo - Helô
  • 1995 - Irmãos Coragem - Margarida
  • 1993 - Fera Ferida - Belmira
  • 1993 - Mulheres de Areia
  • 1991 - Felicidade

Trabalhos no cinema

  • 2008 - A CARTOMANTE - Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante no Festival Ver e Fazer filmes/Cataguases

  • 2006 - Fotografia da Voz
  • 2003 - Apolônio Brasil, o Campeão da Alegria
  • 2001 - O Xangô de Baker Street
  • 1997 - For All - O Trampolim da Vitória
  • 1997 - Lulú Parmê
  • 1993 - Essas Tais Criaturas
  • 1990 - O Mistério de Hobin Hood
  • 1989 - A Princesa Xuxa e os Trapalhões
  • 1988 - Super Xuxa contra Baixo Astral
  • 1987 - Rádio Pirata
  • 1985 - A Espera

Trabalhos no teatro

  • Adão e Nazareth
  • A Historieta Das Cartas Escritas Por Honorina Entristecida
  • Os Candidatos
  • Fernanda Lobo em: Ver, Eu Não Vi, Mas Que Tem, Tem!...
  • Ferro Em Brasa
  • Ode À Juventude
  • O Julgamento
  • A Salamanca do Jarau
  • O País Dos Mastodontes
  • Aladim
  • Romeu e Julieta
  • A Gata Borralheira
  • A Múmia da Verdade

 Ultimamente escrevia em seu blog OLHAR MAQUINISTA http://fellobo.blog.terra.com.br/

Polícia Civil de Juiz de Fora e Cataguases prendem suspeitos de furto de carros em agências

As Polícias Civil de Juiz de Fora e Cataguases prenderam duas pessoas suspeitas de furtarem carros de agências de veículos. Eles fariam parte de uma quadrilha que agia nas cidades da região.
A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil de Cataguases. Quatro carros furtados em agência de veículos de cidades da Zona da Mata foram apreendidos. Três deles foram encontrados em bairros na zona Norte de Juiz de Fora.
Dois homens suspeitos de furtar os carros foram presos em flagrante em Cataguases. Em Juiz de Fora, três pessoas que adquiriram estes veículos prestaram depoimento a polícia.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Rodolfo Rolli, os suspeitos que furtaram os carros iam até as agências para fazer o teste drive e desapareciam com os veículos. O dono de uma loja em Piraúba, José Márcio Mendonça, nem suspeitou.
Os veículos já passaram por perícia, vistoria e vão ser devolvidos aos donos. Para um dos proprietários de uma agência de Ubá, Cleiton de Paiva, que também foi furtado, fica o alerta.
De acordo com o delegado, os presos vão responder por formação de quadrilha.
Por MGTV Panorama/Megaminas.com