sábado, 28 de abril de 2012

Aécio se irrita com pergunta sobre caso Cachoeira em MG

"Não vou falar de coisa tão estúpida como essa".

Depois de defender a investigação de todos os políticos que tenham relação com Carlinhos Cachoeira, alvo de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Congresso, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) irritou-se nesta sexta-feira com pergunta sobre o pedido que fez ao governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), para nomear uma prima de Cachoeira para um cargo de direção do governo mineiro.
"Não vou falar de coisa tão estúpida como essa", afirmou Aécio. Esta foi sua resposta ao ser questionado por jornalistas se também pediria a abertura de investigação sobre a indicação da prima de Cachoeira, a exemplo do que fez o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), para se defender das acusações sobre participar dos negócios do contraventor.

"Atendi a um pedido do líder do Democratas, uma pessoa altamente qualificada. Talvez mais do que você [dirigindo-se ao repórter], pela qualidade da sua pergunta", confirmou o senador, ao encerrar a entrevista e se dirigir para o salão onde ocorria o primeiro congresso sindical do PSDB.

Aécio é mencionado em conversas telefônicas de Cachoeira gravadas pela Polícia Federal. Nelas, o bicheiro fala com o senador Demóstenes Torres (ex-líder do DEM, atualmente sem partido) sobre a nomeação da prima, Mônica Beatriz Silva Vieira, para o cargo de diretora regional da Secretaria de Estado de Assistência Social em Uberaba.

Ela foi contratada em maio de 2011 pelo governador Anastasia, que era vice de Aécio e assumiu o cargo em 2010, com a renúncia do tucano para concorrer ao Senado.


Fonte: http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2012/04/27/aecio-se-irrita-com-pergunta-sobre-indicacao-de-prima-de-cachoeira.jhtm

terça-feira, 24 de abril de 2012

SENAC oferece cursos e realiza palestra em Cataguases

O Senac Minas realiza no dia 26 de abril a palestra “O Mercado de Trabalho – Condições e oportunidades no mundo globalizado”, na cidade de Cataguases. A palestra tem por objetivo debater as qualidades que um profissional deve ter para o mercado de trabalho, atualizando os participantes sobre o que o mercado procura nos profissionais hoje.
A palestra irá abordar assuntos importantes para quem está buscando emprego, como marketing pessoal, comportamento profissional, elaboração de currículo e entrevista. O palestrante é o diretor do Senac Juiz de Fora, André Carvalho (currículo na arte em anexo).
O evento é de organização do Senac Minas, com o apoio do Sindicomércio de Cataguases, ambos integrantes do sistema Fecomércio, e acontecerá no dia 26 de abril, às 19h, na Policlínica Municipal Dr. José Jubert Ribeiro, Rua Ostende Ribeiro, 50. A entrada é gratuita e as vagas são limitas. 
 
Busca por aperfeiçoamento
 
Para os profissionais da cidade que estão em busca de atualização e aperfeiçoamento profissional, o Senac Juiz de Fora realizará em Cataguases os cursos de Auxiliar administrativo, Vitrinismo e Cuidador de Idosos. Os cursos são gratuitos e fazem parte do Programa Senac de Gratuidade (PSG). Para se inscrever, o interessado deve estar cursando ou já ter cursado o ensino básico, trabalhadores empregados ou desempregados, com renda familiar per capita de até dois salários mínimos federais. Para saber mais sobre o programa, pesquisas os cursos disponíveis e concorrer às bolsas, os interessados devem se cadastrar no site http://www.mg.senac.br/programasenacdegratuidade. Ou pelos telefones 0800 724 44 40
 
 Mais informações: (32) 3421-3385

“Sem Fonia Musical”: uma divertida paspalhada para toda família

Imagine a confusão que um Palhaço apronta!!! Imagine então a confusão que três palhaços músicos podem aprontar... Imagine, ainda por cima, esses três paspalhos tentando tocar juntos! O que acontece então? Muita confusão e diversão até eles executarem uma notinha musical que seja! Quando conseguem, tocam uma música e mais outra e outra e outra e outra... Os Palhaços, cada um com seu instrumento (flauta, violão e pandeiro), criam uma harmonia e fazem nascer uma trilha sonora divertida e inusitada para o espetáculo, com a participação do público como 4º músico desta paspalhada.

Este é o enredo que a Yepocá – Cia De Teatro, de Belo Horizonte, se apresenta em Cataguases no Teatro dos Vicentinos com um divertidíssimo espetáculo cênico-musical para toda a família: Sem Fonia Musical. Desde 2010, o grupo se apresentou em mais de 60 cidades mineiras e diversas cidades dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná com apresentações dos espetáculos em repertório, através do Prêmio FUNARTE de Teatro Myriam Muniz e o projeto “Yepocá em Cena – Mostra Teatral Itinerante”. Em 2011, o grupo contou também com uma circulação através do Prêmio Cena Minas em 08 cidades mineiras.

O repertório da Yepocá funciona como veículo de reflexão sobre temáticas do cotidiano. Elementos de conteúdo profundo, mas tratados de forma lúdica e divertida, permeiam os espetáculos oferecidos pelo grupo.

Histórico

No ano de 2000, os artistas Bruno Godinho e Luisa Goreti criaram a Companhia de Teatro Yepocá. O grupo surgiu com o intuito de promover diversos projetos culturais, oficinas de teatro e espetáculos teatrais. No ano seguinte, parte dos integrantes do “Cia de Yepocá” viajaram para Portugal para desenvolver durante três anos projetos artísticos. As atividades desenvolvidas incluíam apresentações na Biblioteca Municipal do Porto, na Universidade Fernando Pessoa, Fórum Miúdos FNAC-Porto, na Câmara Municipal da Guarda, entre outros.
O grupo já se apresentou em diversos festivais, mostras, teatros, pátios de escolas e praças no Brasil e exterior, divertindo mais de 180 mil crianças, jovens e adultos. Em 2004, participaram da “8ª Mostra Teatro Infantil de Belo Horizonte”, com o espetáculo “O Papel Roxo da Maçã”. No “Festival de Inverno de Sabará”, em 2004 e 2005, encenaram novamente “O Papel Roxo da Maçã” e “Sem Fonia Musical”. Ainda em 2005, participaram do “2º Festicidade - Festival de Bonecos de Belo Horizonte” com a peça “ O Papel Roxo da Maçã” e do “Festivelhas / Projeto Manuelzão – Festival de Arte e Transformação”.
No “Circuito Primavera de Arte-Educação de Timóteo e Vale do Jequitinhonha”, nos anos de 2005 e 2007, apresentaram as peças “O Papel Roxo da Maçã” e “Pepeu e Marieta”. Em continuação dos trabalhos em 2007, dedicaram-se ao projeto “Mercantil do Brasil Cultural” com “Hypólita – Uma História de Amor” e, no ano seguinte, com o espetáculo “Milenium”. No total, com este projeto, percorreram 23 cidades em Minas Gerais.
No ano de 2008, realizaram e produziram a 1ª Edição da Mostra Teatral Itinerante, que percorreu três regionais de Belo Horizonte. Em 2010 realizaram a 2ª edição do mesmo projeto, percorrendo cinco cidades do interior de Minas Gerais. Em 2011 foi a vez da 3ª edição do projeto com público aproximado de 5.200 espectadores.
Em outubro, a agenda do espetáculo contou com uma participação, em Curitiba, no 3º Pequeno Grande Encontro de Teatro para Crianças de Todas as Idades, produzido, realizado e concebido pela Cia do Abração.

Show com Rashid, Emicida e Projota, os “Três Temores”, de graça, em Cataguases

Por Fernanda Brasileiro*

Patrocinado pela Energisa,  o Projeto Usina Cultural traz a Cataguases um show que promete fazer tremer a cidade: “Os Três Temores” com os rappers paulistanos Rashid, Emicida e Projota, na Praça Rui Barbosa, centro da cidade, no próximo domingo, dia 29 de abril, às 21h. Os três MCs garantem uma apresentação inesquecível com os grandes sucessos do rap nacional.
Aliás, o rap nacional passa por um ótimo momento. O cenário do gênero é de renovação com vários nomes surgindo e mostrando a força das rimas. O encontro dos três MCs foi inspirado num projeto similar realizado no samba. Bezerra da Silva, Moreira da Silva e Dicró, idealizaram, em 1995, o show “Bezerra, Moreira e Dicró- 3 Malandros in Concert”,  uma sátira das apresentações realizada pelos três tenores Luciano Pavarotti, Plácido Domingo e José Carreras. O show virou disco e foi referência para Emicida Projota e Rashid, que resolveram dar o nome de “Três Temores” para a formação que vai agitar os palcos nesta turnê.
Rashid, Emicida e Projota se conheceram durante as batalhas de Freestyle (rimas de improviso), por volta de 2006, em São Paulo. No ano seguinte criaram “Na Humilde Crew” e confeccionaram as disputadas camisetas com a frase “Na Humilde”. Desse jeito fortaleceram seus trabalhos individualmente, mas com a filosofia da “crew”.

EMICIDA
Surgiu no cenário rap em 2006. Em 2008, lançou o single Triunfo, e sentiu a necessidade de dar um passo maior em sua carreira. Em 2009, colocou na rua a mixtape Pra Quem Já Mordeu um Cachorro Por Comida Até Que Eu Cheguei Longe, a mais comentada e vendida do rap brasileiro. A partir daí, foi destaque nos principais veículos de comunicação brasileiros. Em 2010, ficou consagrado com a mixtape Emicidio. Em 2011, o rapper fez turnê pelos Estados Unidos e apresentou-se no festival Coachella. Além disso, gravou o EPDoozicabraba e a Revolução Silenciosa, em Nova Iorque, com os produtores K Salaam & Beatnick. Também participou de festivais brasileiros, como Lupaluna (Curitiba), Festival Coquetel Molotov (Recife) e Urban Music Festival (São Paulo). No palco Sunset do Rock In Rio 2011, apresentou-se ao lado de Martinho da Vila e Cidade Negra, e representou o rap nacional no SWU.
Ano passado, Emicida levou as premiações do VMB 2011 com o melhor videoclipe e como o artista do ano, e ganhou o troféu de melhor CD de música popular pelo Prêmio Bravo de Cultura.

PROJOTA
Autodidata, iniciou seus passos na música aos 12 anos. Em 2006, Projota entrou pela primeira vez em uma batalha de MC’s. Conseguiu vencer por quatro vezes a Batalha do Santa Cruz, três a Rinha dos MC’s, e, em 2007, chegou a final da Liga dos MC’s – evento mais tradicional do estilo no país. O trabalho dedicado rendeu a Projota uma aparição no documentário Freestyle: Um Estilo de Vida (Pedro Gomes). Entre as principais músicas gravadas por Projota entre 2006 e 2008 estão ‘Ela’, ‘Avoadão’ e ‘Eu Canto’. Em 2008, ele lançou a música ‘Acabou’. Postada por um fã no Youtube, o vídeo possui mais de 1 milhão de visualizações. Seu primeiro EP, Carta aos Meus, foi lançado em novembro de 2009. Em setembro de 2010, lançou a mixtape Projeção. Depois de colocar nas ruas a mixtape Não Há Lugar Melhor no Mundo Que o Nosso Lugar e o EP Projeção pra Elas (só com músicas relacionadas ao universo feminino), o rapper gravou seu primeiro DVD. O registro foi feito em Curitiba, com produção e direção da Pexera Produções, e teve público de mais de 4 mil pessoas. O lançamento será em abril de 2012.

RASHID
Michel Dias Costa, mais conhecido como MC Rashid, teve seu primeiro contato com o rap aos 12 anos de idade. Depois de fazer parte de dois grupos formados por amigos – entre eles o rapper Projota – Rashid adquiriu prática e teve mais facilidade para compor. Aos 16 anos, ele já participava de batalhas de Freestyle, improvisando versos e chamando a atenção de MCs mais experientes. A consequência foi a conquista de títulos nas duas batalhas de rimas mais conceituadas e conhecidas do Brasil: a Batalha do Santa Cruz (organizada pela Afrika Kids Crew) e a Rinha dos MCs (organizada por Criolo e DJ Dan Dan). Em 2007, o rapper também participou da edição nacional da Liga dos MCs e do documentário Freestye: Um Estilo de Vida. Em 2008, foi convidado para participar de uma faixa do álbum de Kamau (Non Ducor Duco). Em 2010, lançou o primeiro EP, Hora de Acordar, com participação de Marechal, Rael da Rima e Projota. No mesmo ano, Rashid gravou uma vinheta temática para a SporTV, referente ao Novo Basquete Brasil (NBB), e figurou em uma campanha publicitária do Bradesco. Para completar, lançou duas coleções de camisetas em parceria com a marca de roupas Muro. A relação com o estilo hip hop de vestir lhe rendeu ainda a participação em um editorial de moda para a revista Serafina (Folha de S. Paulo). A consagração veio em 2011, com a mixtape Dádiva & Dívida. No dia 21 de março deste ano, Rashid lançou sua nova mixtape: Que Assim Seja.

O Projeto Usina Cultural tem a produção de Fausto Menta, apoio da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, e patrocínio da Energisa através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

Show “Os Três Temores”
Local: Praça Rui Barbosa – centro de Cataguases
Dia: 29 de abril (domingo)
Horário: 21h
Grátis
Censura Livre

* é assessora de Comunicação da
Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho

Cinema gratuito em Leopoldina na Casa de Leitura


PLAYTIME 
(Tempo de Diversão)
Direção: Jacques Tati
Dia 25 de abril, às 19:30h
 Casa de Leitura Lya Botelho (R. José Peres, 4  - Centro / Leopoldina-MG) 
Entrada Franca

domingo, 22 de abril de 2012

Show inédito no Brasil


Maria Alcina e Aero se apresentam no Clube do Remo



Já estão à venda os ingressoas para o Show do GRUPO AERO E MARIA ALCINA.

Locais de venda:
  • CLUBE DO REMO
  • ÓTICAS PRECISÃO,  - Rua Nogueira Neves, centro, ao lado do semáforo.
 
Valor unitário R$ 10,00 Arquibancada da quadra.
Ainda restam 10 (dez) mesas para serem vendidas na Secretaria do Clube do Remo no valor de R$ 100,00 para sócios e R$ 120,00 para não sócios. A compra da mesa dá direito à entrada, (4 lugares).

sábado, 21 de abril de 2012

UFSJ oferece Matemática e Pedagogia EAD

APROVEITEM ESTA EXCELENTE OPORTUNIDADE FACULDADE 
GRATUIDA, DE QUALIDADE E DENTRO DE CASA.
 

Processo Seletivo dos Cursos de Graduação em Pedagogia e Matemática

A Universidade Federal de São João Del-Rei – UFSJ faz saber que de 30 de março a 23 de abril de 2012, estarão abertas, pela Internet, as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado para ingresso nos cursos de graduação a distância ano de 2012.


Mais informações no seguinte endereço eletrônico:  

Sind-UTE/MG faz atividade em Tiradentes em preparação ao 21 de abril

Atores como José Wilker,  recebem o Dossiê 
da Educação Pública  Mineira
O Sindicato Único dos Trabalhadores da Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) realizou, nesta quinta-feira (19/04), diversas atividades na cidade de Tiradentes, em preparação ao dia 21 de abril.
O primeiro passo foi o diálogo com os alunos das escolas públicas do município. Eles receberam material do Sindicato para dialogar com os pais sobre a realidade da educação pública mineira.
Em seguida, foi feito um trabalho com o comércio e lojas de artesanato. Foi entregue o Dossiê da Educação mostrando a realidade do segmento em Minas Gerais. “Pedimos o apoio e entregamos o prato símbolo da campanha para que ficasse exposto nas lojas”, afirmou a direção do Sind-UTE/MG.
Neste dia havia gravação do longa metragem “As fantásticas aventuras de um capitão” baseado na obra “Os Velhos Marinheiros” do escritor Jorge Amado, uma co-produção da Warner Bros.
Conseguimos dialogar com alguns atores que também receberam o Dossiê da Educação Pública Mineira, que aceitaram fotografar com o prato da nossa campanha. Entre os artistas que receberam o dossiê, estava José Wilker (foto).
A atividade foi articulada pela Subsede do sindicato de São João del Rei.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Altamir realiza exposição cheia de charme


Altamir Soares


Pessoas ligadas às artes plásticas, como os pintores Silva Costa, Jorge Napoleão e o marchand Cairu Teles ficaram muito bem impressionadas com a qualidade da mostra Transformação, de Altamir Soares, na Sala Pedro Comello, do Centro Cultural Eva Nil (antiga estação ferroviária).

Também teceram muitos elogios os políticos Pequeno e Titoneli, o teatrólogo Carlos Sérgio Bittencourt e o poeta Ronaldo Werneck, entre outros presentes ao vernissage, na última sexta-feira, 13 de abril. Uma ótima oportunidade para cataguasenses e visitantes conhecerem ou reforçarem o seu apreço por um dos filhos da terra que melhor se expressam no campo das artes plásticas.

            Altamir é de Cataguases, formado na Escola de Belas Artes, em São Paulo, tendo concluído mestrado em Educação e Artes na Universidade Fede­ral de Juiz de Fora. Já expôs na Câmara dos Deputados, em Brasília e, em Juiz de Fora, no Sesi e no Espaço Mascare­nhas. Também em Nova Friburgo, na Universidade de Viçosa e várias vezes em nossa ci­dade, onde é professor de arte nas redes estadual e municipal de ensino.

            Sobre as esculturas, Vanderlei Pequeno escreveu: “Repre­sentam figura­ções humanas deformadas que despertam em nós um sentimento de compai­xão, comiseração. Homens e mu­lheres carregando no corpo a pesada carga da infelicidade”. E Pequeno vai além, em relação aos desenhos: “Figuras que san­gram, que sofrem e curvam-se na fragilidade dos vencidos, numa relação de impotência frente à existência”.

         E Antônio Jaime deixou este recado:
“Altamir faz das tintas invenção. Pinturas e desenhos har­monizados por uma força prodigiosa. Também esculpe figuras expressi­vas, sofridas, coisas da vida. Com mão firme e sensibilidade a mil, ele ob­tém efeitos de uma plastici­dade única, cores na medida certa, imagens que deleitam, comovem e fazem pensar. Obras cheias de charme, que en­cantam os olhos, cora­ções e mentes. Imperdível”.

Altamir Soares é professor de arte, artista plástico, crítico de arte. Com sua exposição no “Centro Cultural Eva Nil”, lembra os pintores da escola de Paris com suas formas e cores.

A exposição ficará em cartaz até 26 de abril.

        

Memorial Nanzita – Serviço de Divulgação

domingo, 15 de abril de 2012

Bela Ischia aumenta investimentos em Astolfo Dutra

A Bela Ischia Alimentos e o Governo de Minas assinaram protocolo de intenções para a modernização da unidade industrial e ampliação da linha de produção em Astolfo Dutra, na Zona da Mata. 

A empresa irá investir R$ 13 milhões e criar 315 novos empregos diretos e outros 600 indiretos.

Saiba quanto Cataguases recebeu de verbas do Governo Federal nos últimos anos

Algumas pessoas me perguntam se existe muito dinheiro do Governo Federal vindo para Cataguases. Então, fiz uma pesquisa, com dados oficiais e resolvi criar um gráfico para verificar se o volume de recursos indo para a nossa cidade realmente aumentou. Confiram:

Repasses do Governo Federal
2004
18.610.036,57
2005
21.881.870,15
2006
25.923.753,42
2007
30.839.630,88
2008
36.680.605,19
2009
36.306.773,21
2010
40.541.381,05
2011
43.779.001,79

sábado, 14 de abril de 2012

Nota do Hospital de Cataguases sobre a operação da vigilância sanitária

Manifestantes protestam hoje, no calçadão, contra o que consideram 
"calúnias" veiculadas na imprensa local e nacional.


Com os recentes acontecimentos que deram ao Hospital de Cataguases uma negativa  notoriedade em todo o país, cabe à direção dessa quase secular entidade filantrópica vir a  público com suas justificativas e em condições de rebater os excessos que estão,  injustamente, sendo cometidos contra ela. NÃO HOUVE COMIDA ESTRAGADA. NÃO  HOUVE CARNE PODRE. NÃO HOUVE LEITE AZEDO. Se estragou, se apodreceu, se  azedou, foi depois que foi retirado do interior do hospital e acondicionado nas traseiras de viaturas policiais.

Nós do Conselho Fiscal, do  Conselho Superior, da Administração,  Corpo Clínico e Funcionários do Hospital de  Cataguases lamentamos com  tristeza tudo o que vem ocorrendo  nestes últimos dias em face das  inúmeras notícias atravessadas  que têm sido veiculadas em nível  nacional sobre um fato ocorrido no  âmbito interno de nossa  instituição. Notícias sem a devida  apuração são veiculadas servindo  mais para macular e tumultuar do  que para apresentar soluções para  questões de extrema relevância  que afligem não só nós do HC  como toda a comunidade que  necessita ou pode a qualquer  momento vir a necessitar dos  serviços de saúde ali prestados.

De acordo com relatórios da  Gerência Regional de Saúde-GRS  e da Vigilância Sanitária, realizados  anualmente o hospital já  havia sido notificado sobre as  necessidades de atendimento de  exigências no que tange a questão de origem e procedência dos  produtos utilizados na feitura dos  alimentos servidos aos pacientes.  Esse relatório data do último dia  12 de março quando o HC foi  notificado. Não só as questões que  são objeto de tamanho estardalhaço pela imprensa nacional  (leia-se TV Globo) como outras  foram tratadas e acordadas para que se chegasse a bom êxito.

OUTROS PROCEDIMENTOS

Todos os procedimentos  estavam e estão sendo feitos.  Questões mais fáceis de serem  resolvidas não deram gancho  jornalístico para matérias mais  sensacionalistas. O que ocupou os espaços da mídia televisiva (leia-se TV Globo) foram os alimentos  que provocam na população reações mais intempestivas.

Afirmar que o hospital servia  comida podre aos pacientes é  de tamanha leviandade que nem nos compete apresentar defesa.  Um absurdo. Total absurdo.  Irresponsabilidade plena de quem  alardeou tal mentira. Irresponsabilidade  de quem delegou  poderes a jornalistas inexperientes  que não hesitou em jogar por terra  um trabalho filantrópico de quase  um século.

AÇÃO DE APREENSÃO

Os males provocados pelas  ações da fiscalização da Vigilância Sanitária de Minas Gerais não  podem ser avaliados por qualquer  retratação em programas  jornalísticos. Todo o Brasil assistiu  a denúncia.De norte a sul do país vieram  indagações sobre o que estava  ocorrendo em Cataguases. Há menos de um mês já  tínhamos sofrido com o fechamento  de outro hospital. E não  foram ou estão sendo poucas as  manifestações de perplexidade  quanto ao que vem ocorrendo em  Cataguases. O HC está sendo  apresentado como um estabelecimento  de atendimento à  saúde que não respeita o usuário,  os pacientes e seus familiares e a  comunidade em geral. O desrespeito  pelo HC está diametralmente  oposto ao que ele  sempre foi para a comunidade.

O que poucos sabem é das  agruras que ao longo de sua existência ele vem passando. O  que poucos sabem é dos esforços  empreendidos por abnegados  conselheiros que não medem  sacrifícios para a busca de  soluções dos agudos problemas  financeiros pelos quais essa  instituição passa. As acusações que ora  atingem o HC são de gigantesca inconsequência. Querem o quê?  Fechar o HC? Querem o quê? Ver  presas pessoas que oferecem seus  serviços sem qualquer remuneração?  Curioso: nem bem os  envolvidos no flagrante tinham  chegado à delegacia, por volta das  12 horas do dia 10 de abril último, o repórter da TV Globo já estava lá. (????)

A RAZÃO DO PROBLEMA

Desde 1935, quando o  benemérito Norberto Custódio Ferreira legou ao HC uma propriedade rural com o objetivo  principal de produzir alimentos  para abastecer a cozinha e, caso  houvesse excedentes, gerar  receitas para a entidade, desde essa  data que os pacientes se alimentam  de hortaliças, frutas, peixes e carnes, vindas da Fazenda da  Fumaça.

Esse procedimento contribui  substancialmente para  minimizar as agruras da  instituição hospitalar. Sem tais  recursos com certeza o HC não  teria rompido o tempo e chegado  aos seus 96 anos de existência,  sendo o principal hospital não só  de Cataguases como de diversas  outras cidades da região. E até mesmo atendendo a cidades de outros estados do Brasil.

Buscar soluções para esses  custos foi uma das principais  metas da gerência do HC. e a Fazenda da Fumaça, depois de  passar por diversas querelas  jurídicas, quando teve de aguardar decisões da justiça ante as questões do Movimento dos Sem-terra - MST, e só então poder voltar  a usufruir dos benefícios que a  terra dá, agora se transforma numa outra questão para a administração do hospital.
Para atendimento das normas legais que se exigem para  se consumir os produtos produzidos na Fazenda da Fumaça pelo HC será necessário investir alguns milhares de reais. Quantia que certamente essa instituição não possui. O que era plantado ali era trazido para a cozinha do HC. Os animais – bovinos, suínos, galináceos e peixes – eram cuidados dentro de rígidos controles. Todos os produtos apresentavam características organolépticas nutricionais preservadas. Não houve, conforme garante Maria Aparecida Alvim, nutricionista do HC há 23 anos, nenhum caso de comprometimento da saúde de paciente ou qualquer outro comensal. Com as recomendações da fiscalização todas as medidas estavam sendo tomadas. Só que cada uma a seu tempo.

Para o abate de animais a direção do HC está tomando as devidas providências. Quanto ao arroz tido como sujo não houve nenhum laudo que certificasse isso detalhadamente. Por escrito. Também para se resolver a questão do leite que tem que ser pasteurizado algumas medidas estavam sendo tomadas.

IMPORTÂNCIA DO HC

Vale ressaltar que 70 por cento dos atendimentos realizados pelo HC destinam-se a pacientes do Sistema Único de Saúde-SUS, sendo público e notório que em contrapartida o SUS paga ao HC apenas 60 por cento dos custos decorrentes desses atendimentos.

PROVEDORIA

Para quem se dedica por tempo integral a uma causa sem nenhuma remuneração e se ver responsabilizado e tratado como um infrator sem maiores considerações dos órgãos públicos que também deveriam estar envolvidos no problema chega a ser entristecedor. José Eduardo Machado, 65 anos, líder sindical dos empregados do comércio, militante sindicalista e defensor das causas dos trabalhadores, agora é detido e levado para a Delegacia de Polícia com um tratamento sem nenhum cuidado com sua imagem pública. A busca de soluções deveria ter sido empreendida, senão com mais elegância, pelo menos com mais cautela. Ações dessa natureza não podem e nem devem ser tratadas como casos de bandidagem. Não. José Eduardo Machado é um Provedor em seu segundo mandato. Alguém que se não chega a ser uma unanimidade se aproxima disso no trato da administração do Hospital de Cataguases. Se não é o melhor está 
entre os que mais resultados deram para a sobrevivência dessa entidade filantrópica.

Fonte: www.primeirojornal.jor.br