domingo, 5 de agosto de 2012

Enquete eleitoral é eficaz?


Por Elias Junior

Muitos leitores do blog e eleitores de Cataguases me pedem para fazer uma enquete sobre os dois candidatos a Prefeito de Cataguases: Cesinha Samor (PC do B) e Willian Lobo (PSDB). Devo uma explicação a quem se sente insatisfeito com o fato de não ter apresentado este tipo de ferramenta em meu blog. Vamos lá:

Certa feita realizei uma enquete no meu blog e vi muitas distorções. Pesquisei outras enquetes na internet e pude perceber as seguintes características: 

1 - Ganha a enquete quem consegue mobilizar mais votantes pela internet.
2 - A população que acessa a internet reflete apenas um perfil de eleitor e não sua totalidade.
3 - Os dados são puros e não refletem uma pesquisa estatística científica, e isso certamente induzirá ao erro. É um desrespeito com os profissionais de estatística realizar uma enquete com "cara" de pesquisa eleitoral.
4 - O resultado sendo incorreto poderá induzir o eleitor a votar naquele que ganhou a enquete.
5 - Algumas enquetes solicitam seu CPF que é um documento pessoal criptografado que não deveria circular pela internet devido aos ataques de hackers e meliantes de toda espécie. O documento ideal deveria ser a Carteira de Identidade que não coloca em risco a vida patrimonial do votante. Como não há como conferir a autenticidade do documento ficamos sem poder confirmar os dados informados.

Pelos pressupostos acima, constata-se que uma enquete é um instrumento sem validade alguma. Estas enquetes ou sondagens não se tratam de pesquisa eleitoral, previstas no art.33 da Lei nº 9.504/97, e sim de mero levantamento de opiniões, sem controle de amostra,  o qual não utiliza método científico para a sua realização, dependendo, apenas, da participação espontânea dos interessados.