domingo, 16 de setembro de 2012

FRASES SOBRE POLÍTICA QUE ESTÃO NA BOCA DO POVO


Luiz Lopes é Professor e artista Plástico.


1. NÃO GOSTO DE POLÍTICA: Frase típica daquele que não sabe que é analfabeto político, a qual tem variantes raivosas, como “detesto política” ou “tenho nojo de política e de políticos”. Esse tipo de analfabeto não sabe que tudo na vida depende de decisões políticas. Não participa de nada, não lê nem vê nada sobre política. Não estuda a História do seu país e do mundo. Cuidado: Há analfabetos políticos também em todas as categorias profissionais, mesmo nos formados em Universidades. Um especialista, mestre ou doutor em sua área profissional pode ser um analfabeto em política. Portanto, dizer que não gosta de política é o mesmo que afirmar que não gosta de si próprio e da vida em sociedade, nem se importa com a injustiça social, o desemprego, o caos na saúde e na educação pública, etc.

2. NÃO ENTENDO NADA DE POLÍTICA: A pessoa que diz isso não enxerga que parte considerável da culpa é dela; a outra, das instituições sociais. No entanto, ela pouco ou nada faz para mudar essa situação, porque não consegue ver as consequências negativas para sua vida e a da coletividade. Por esse motivo, é alvo fácil de políticos inescrupulosos, vende seu voto, vota no candidato errado, desconhece que um candidato é agente dos interesses econômicos de um partido político que representa uma classe social, não sabe o poder de mudança que tem seu voto e, com isso, colabora para que a sociedade seja sempre governada em muitos casos por políticos despreparados e corruptos.

3. VOU VOTAR NO MEU AMIGO OU NO MEU PARENTE: Você já ouviu o ditado popular “amigos, amigos, negócios à parte”? Pois ele deveria ser aplicado à política: “Amigos, amigos, política à parte”. Será que seu amigo ou parente tem conhecimento, integridade moral e competência para administrar, fazer leis e fiscalizar? Será que eles estão engajados na vida social e política de sua comunidade? Eles têm um passado em prol da melhoria da sociedade? Têm um projeto para os diversos setores da vida pública? Se eles não têm nada disso, é melhor escolher outro que preencha tais requisitos. Só o candidato preparado, filiado a um partido voltado para os interesses gerais e da classe trabalhadora como um todo pode melhorar as condições de vida da maioria da população.

4. VOU VOTAR NO FULANO PORQUE ELE É GENTE BOA OU É BONITO: Espera-se que o eleitor saiba distinguir entre gente boa, simpática, amiga daqueles que tenham de fato competência e honestidade para a vida pública. Da mesma forma, gente bonita pode não ter os predicados que um cargo público exige. Porém, se o candidato tem essas qualidades naturais somadas àquelas que a função pública necessita, não há problema algum em votar nele. Caso contrário, é melhor votar num sujeito feio e preparado. O ganho social será maior.

5. OS PARTIDOS SÃO TODOS IGUAIS: Não são, porque representam na sociedade de classes em que vivemos os diferentes segmentos sociais. Há os representantes do agronegócio, dos banqueiros, dos religiosos, dos empresários, dos trabalhadores, etc. O discurso pode parecer o mesmo, mas não é, porque os objetivos e as ações são bem diferentes. Por isso é preciso estar muito atento. Para distinguir um do outro é necessário saber ler criticamente a imprensa e procurar conhecer a que grupo social ela pertence, acompanhar debates pela TV e pelo rádio, perguntar aos que conhecem política e vida pública, estudar a História de sua cidade e de seu país, analisar, comparar, conhecer os programas partidários, acompanhar as ações dos políticos e dos partidos, etc. Lembre-se: todo candidato está filiado a um partido político e é agente da ideologia e dos interesses econômicos do partido.

6. OS POLÍTICOS NÃO FAZEM NADA PARA MIM: E não é para fazer mesmo! A função do político não é fazer favores individuais, como mudança, ajuda em dinheiro, doação de cestas básicas, remédios, nem de doar bens materiais, como celulares, equipamentos eletrônicos, brinquedos, jogos de camisa de time, sacos de cimento, dentaduras, etc. Nem de fazer festas, forrós, animação, cavalgada, caminhada, etc. Sua função é trabalhar para a coletividade. Ele deve zelar pela sociedade como um todo. Na Câmara de Vereadores, deve criar projetos de leis, decretos legislativos, resoluções e emendas; formular requerimentos, moções e indicações; legislar sobre tributos municipais e sobre assuntos de interesse local, fiscalizar os atos do prefeito, etc. Na Prefeitura, deve administrar o bem público para todos; sancionar, promulgar e fazer publicar as leis; expedir decretos e regulamentos; vetar projetos de leis; apresentar relatório sobre andamento das obras; prestar contas ao Tribunal de Contas, etc.

7. OS POLÍTICOS SÓ APARECEM NA HORA DA ELEIÇÃO: Em parte é verdade, mas não se esqueça de que eles ocupam a imprensa, têm reuniões com seus partidos, vão a atos públicos, assembleias, etc. Mas, e você, eleitor, quando você aparece para honrar seus compromissos como cidadão? Quantas vezes na vida foi à Câmara de Vereadores? Quantas vezes participou dos acontecimentos políticos de sua cidade, de seu estado ou de seu país? Portanto, é preciso olharmos no espelho e termos a coragem de assumir a nossa falta de compromisso para com a vida social. Se quisermos mudar, temos de primeiro fazer a nossa parte, sabendo escolher com consciência nosso candidato, não vendendo nosso voto por nada. Nosso voto é sagrado. Os políticos que aí estão são o retrato vivo de nós mesmos.