quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Apenas 16% dos municípios mineiros se prepararam para desastres com temporais


A enxurrada de estragos das últimas temporadas de chuva não sensibilizou a maioria dos prefeitos de Minas Gerais. Mas a possibilidade de novos desastres devido à falta de prevenção ganhou um novo alerta: apenas 16% dos municípios mineiros (133) tinham ou estavam em fase de elaboração de planos de redução de riscos em 2011.
A falta de projetos para minimizar ou enfrentar desastres naturais faz parte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais – Perfil dos Municípios (Munic), divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a primeira vez que esses dados foram levantados pelo órgão.
O chamado plano municipal deve mapear áreas de riscos ambientais e geológicos, além de propor metas de recuperação ambiental e ações para controlar as tragédias. No Brasil, das 5.565 cidades, apenas 344 (6,2%) tinham os programas até o ano passado. Cerca de 10% (564) elaboravam o documento.
Um terço dos municípios brasileiros realizava ações pontuais de gerenciamento de risco de deslizamento e recuperação ambiental preventiva. As ações mais frequentes eram, em 2011, drenagem urbana e construção de redes e galerias pluviais. No entanto, segundo o IBGE, não estavam vinculados a um plano oficial de prevenção.

Alerta

“A situação preocupa”, diz o analista do IBGE Antônio Braz. “Nesta época do ano, principalmente, temos muitos desastres naturais causados pelas chuvas. Os municípios precisam se preparar, de forma preventiva, para evitar danos, mas temos percebido que muito precisa ser feito ainda”.
Em 2013, o levantamento também terá informações sobre a ocorrência de deslizamentos. Isso vai permitir verificar se municípios que sofreram danos causados por desastres naturais fizeram algo para evitá-los.