segunda-feira, 27 de julho de 2015

As contas da Dilma serão rejeitadas?

Foto: http://midiabahia.com.br/wp-content/uploads/2014/05/DILMA-PREOCUPADA.jpg
Para a colunista da BandNews Mônica Bérgamo sim! Foi o que ela disse no podcast do dia 22/07/2015. O que mais me preocupa é justamente os detalhes do que ela disse. Segundo a jornalista, um dos sete ministros teria confessado que eles estão recebendo em média 800 mensagens através de contatos telefônicos, e-mails e outros contatos institucionais pedindo a rejeição das contas de Dilma. Segundo este ministro cujo nome não foi revelado, eles estão se sentindo pressionados pela opinião pública e "precisam andar nas ruas".

O Tribunal de Contas tem um corpo técnico de excelência, com funcionários concursados mas quem decide são os ministros. Não é raro votar contra um relatório técnico pois eles tendem a colocar panos quentes nas chamadas pedaladas fiscais que aliás são prática comum (e ilegal) para muitos governos em todas as esferas desde FHC até os dias atuais.

Caso sejam mesmo rejeitadas, as contas serão avaliadas pelo congresso. Mas antes, os parlamentares da oposição deverão fazer a lição de casa apreciando as contas dos últimos 12 anos para só depois tentarem o golpe. Somente em 1937, durante a ditadura de Getúlio Vargas, o ministro do TCU Carlos Thompson Flores apresentou parecer pela rejeição das contas do governo do ano anterior. Seu parecer, porém, não foi aprovado pelo plenário da corte.

Caso as contas de Dilma sejam mesmo reprovadas (o que na minha opinião é bem provável), inicia-se mais uma fase da incessante tentativa de golpe orquestrada por Aécio Neves e uma ala desequilibrada do PSDB que não aceitou a derrota nas urnas. Digo uma ala, porque nem no próprio PSDB Aécio tem apoio irrestrito para orquestrar um pedido de impeachment.

A fase seguinte da tentativa de golpe inclui as chamadas na TV, com discursos inflamados para convocar a população às ruas pedindo o impeachment de Dilma. É claro que Aécio não é ignorante a ponto de achar que assumirá o lugar de Dilma. Sabe-se que numa hipotética renúncia ou cassação quem assume o cargo é o vice-presidente Michel Temer. A tática de Aécio entretanto é para 2018 sagrar-se o vencedor nas urnas.

A oposição no Brasil é bem parelha à de Cataguases: luta pelo poder e não pelo equilíbrio democrático das forças políticas em prol da população. 

É por isso que o povo não costuma dar crédito a esta "espécime" humana.