domingo, 9 de agosto de 2015

A chacina de Acari: 25 anos de impunidade.

Vozes esquecidas: mães de Acari ainda aguardam respostas do Estado Brasileiro.





Há exatos 25 anos, o Brasil e o mundo tomavam conhecimento do desaparecimento de 11 jovens no Rio de Janeiro. O episódio ficou conhecido como a "Chacina do Acari” e segue na mais completa impunidade. Os corpos nunca foram localizados e os responsáveis não foram levados à justiça. Esta realidade revela a total a incapacidade do Estado brasileiro de garantir justiça para os casos de violência policial, desaparecimentos forçados e mortes por grupos de extermínio no país.

A Anistia Internacional assinala que a impunidade tem sido uma forma de continuidade da violência contra os jovens, geralmente negros, e suas famílias. Ainda assim as mães dos jovens de Acari continuam lutando por justiça e contra a violência dos grupos de extermínio na região. Elas já foram intimidadas e ameaçadas. Em 1992, a Anistia pediu proteção às mães, após a denúncia de que policiais militares as ameaçaram com "um destino pior do que seu filho (a)”.

A ameaça foi cumprida. Em 1993, Edméia da Silva Euzébio, uma das mães mais empenhadas na luta por justiça, foi morta violentamente. Ela foi assassinada quando buscava informações sobre o paradeiro do seu filho. Edméia costumava visitar locais de desovas de corpos, hospitais, Institutos Médicos Legais e cemitérios clandestinos na busca por respostas.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro recebeu a denúncia do homicídio de Edméia, no dia 11 de julho de 2011. Sete pessoas são acusadas pelo crime, a maioria policiais militares, incluindo o ex-comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar, então responsável pelo policiamento da região de Acari, subúrbio do Rio de Janeiro. Vinte e dois anos já se passaram da morte de Edméia e o processo continua na fase de instrução e julgamento, não sendo encaminhado para o júri.

Em agosto de 2015, a organização lançará um novo relatório com dados inéditos sobre a violência policial no Rio de Janeiro, cidade-sede das Olimpíadas de 2016.

Os 11 de Acari:
Rosana Souza Santos, 17 anos – filha de Marilene Lima e Souza;
Cristiane Souza Leite, 17 anos – filha de Vera Lúcia Flores;
Luiz Henrique da Silva Euzébio, 16 anos – filho de Edméia da Silva Euzébio;
Hudson de Oliveira Silva, 16 anos – filho de Ana Maria da Silva;
Edson Souza Costa, 16 anos – filho de Joana Euzilar dos Santos;
Antônio Carlos da Silva, 17 anos – filho de Laudicena Oliveira do Nascimento
Viviane Rocha da Silva, 13 anos – filha de Márcia da Silva;
Wallace Oliveira do Nascimento, 17 anos – filho de Maria das Graças do Nascimento;
Hédio Oliveira do Nascimento, 30 anos – filho de Denise Vasconcelos;
Moisés Santos Cruz, 26 anos – filho de Ednéia Santos Cruz;
Luiz Carlos Vasconcelos de Deus, 32 anos – filho de Teresa Souza Costa.

Fontes:
http://site.adital.com.br/site/noticia.php?lang=PT&cod=85980
https://www.youtube.com/watch?v=clZZV-iN1qI